João Ponte é o sucessor de Berta Cabral na AMRAA


 

João Alberto Medeiros   Regional   24 de Out de 2009, 22:22

João Ponte vai ser o novo presidente da Associação de Municípios da Região Autónoma dos Açores (AMRAA) e Roberto Monteiro ficará a presidir à Assembleia InterMunicipal.

 

A revelação foi feita por Carlos César, à margem do Secretariado Regional do PS, órgão do partido que esteve ontem reunido em Ponta Delgada.

Carlos César não avança, contudo, com o nome do presidente da Associação de Municípios da Ilha de São Miguel, alegando que "esta reflexão não foi feita".

"Foi este o consenso entre os nossos autarcas que acharam que João Ponte era uma boa solução para esta fase, que é muito exigente" - declarou Carlos César.

Pretende que a AMRAA não seja "de um município só, de um partido só, como aconteceu sob a presidência de Berta Cabral", promovendo a "conflitualidade, a separação e desunião das autarquias".

"Este é um período novo onde os autarcas socialistas têm a obrigação de fazer com que esta associação represente quer todos os concelhos, quer todas as sensibilidades políticas" - declarou César.

Refuta que ao marcar jantares em separado com autarcas do PS e PSD esteja a criar clivagens.

Na sua leitura, como presidente do Governo tem "interesse em conhecer o ponto de vista dos autarcas do PS e do PSD".

O Secretariado Regional do PS promoveu ontem o que César designa de reflexão sobre o ciclo eleitoral que agora terminou e que foi "coroado de sucesso" para o PS. Foram focadas em especial as eleições para a Assembleia da República,"onde conseguimos renovar a nossa vitória nos Açores", e "esta grande vitória obtida nas eleições autárquicas", com a "maioria conseguida em número de votos, quer em presidências de câmaras e juntas de freguesias"."Isso implica uma grande responsabilidade, designadamente no sentido de assumirmos outra dimensão na colaboração em diversos níveis da administração, designadamente entre a administração regional e local" - defende César.

O líder do PS pretende "forjar uma relação saudável" entre as autarquias e o Governo no sentido de todos poderem trabalhar, independentemente das suas diferenças e prioridades, para o bem comum, com maior eficiência do que tem acontecido até agora". Neste novo ciclo político, César quer entretanto"dar um grande estímulo às estruturas de base do partido por todo o lado"

  • Salvaguardando que as vitórias alcançadas nasceram de um investimento "muito forte" desenvolvido por toda a Região, nas novas gerações, em novas competências.
||

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.