Jardim inaugura na Madeira sistema que reaproveita águas residuais para agricultura


 

Lusa / AO online   Economia   28 de Set de 2008, 22:00

O presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, inaugura segunda-feira o primeiro sistema de reaproveitamento de águas residuais para a agricultura na ilha da Madeira.
    O Sistema Elevatório para Reaproveitamento do Efluente da Estação de Tratamento de Águas Residuais de Machico localiza-se no concelho de Machico, vai beneficiar 401 utilizadores dos sítios do Paraíso, Graça, Banda d’Além, Misericórdia, Parque Agrícola, Zona Franca e lagoa da Rochinha no Caniçal e representa um investimento de 700 mil euros do Governo Regional.

    Mediante equipamento electromecânico, as águas residuais tratadas são elevadas para as condutas adutoras até as caixas de derivação que, por sua vez, fazem a sua distribuição para os diferentes sítios.

    Sistema idêntico já funciona há alguns anos na ilha do Porto Santo, sendo este o segundo no território do arquipélago da Madeira.

    Para Manuel António Correia, este investimento enquadra-se no esforço do Governo Regional de “aumentar o potencial hídrico da Região apesar dos enormes investimentos que têm sido feitos neste domínio que transformaram radicalmente a utilização da água e que garantiu água potável a 100 por cento a todos os madeirenses e também a água necessária para a agricultura”.

    O responsável madeirense pela área da Agricultura reconhece, no entanto, que o sector continua a precisar de inovação e investimentos e lembra que no Plano Regional da Água (até 2020) estão previstos investimentos de 450 milhões de euros para todo o sector hídrico - água potável, águas residuais e água destinada à agricultura”.

    “Precisamos continuar a investir, precavendo a Madeira para os fenómenos das alterações climáticas que já se fazem sentir na Região”, afirma Manuel António.

    “Por isso - continua Manuel António - estamos a construir ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais) novas que resolvem o problema da recolha e tratamento das águas residuais mas, associado a isso, estamos a acoplar sistemas de tratamento terciário das águas residuais que vão reforçar o abastecimento à agricultura”.

    “Este sistema vai ter um efeito directo nomeadamente no regadio no Caniçal e um efeito indirecto em toda a margem esquerda da Ribeira de Machico porque dispensa o transporte de águas de outras zonas que por sua vez ficam livres para reforçar o regadio noutras alturas”, explica o governante.

    Manuel António adianta ainda que esta “é uma ideia que é para continuar”.

    “Os equipamentos que estão feitos estão todos previstos para esta utilização porque nós estamos a seguir um princípio de precaução e prevenção - se vier a ser necessário no futuro, utilizaremos; se as águas das chuvas e os sistemas tradicionais forem suficientes, fica dispensada esta utilização”, acrescenta.

    E fundamenta essa preocupação: "nós precisamos aumentar a nossa produção agrícola e dispensar importações devido ao garrote financeiro imposto pela República”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.