Inspetores do SEF vão fazer greve e paralisação às horas extraordinárias


 

Lusa/AO online   Nacional   23 de Out de 2012, 11:52

O Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização (SCIF) do SEF anunciou esta terça-feira que vai realizar uma greve e uma paralisação às horas extraordinárias por tempo indeterminado por considerarem o Orçamento de Estado "ilegítimo".

“Vamos de facto fazer greve, porque é isso que os associados nos pedem”, disse o presidente do sindicato, Acácio Pereira, após esta estrutura ter realizado plenários com os inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) em vários locais do país.

O presidente do SCIF adiantou que o dia da greve e as datas para a paralisação às horas extraordinárias por tempo indeterminado vão ser decididos em breve, após a realização dos plenários com os trabalhadores dos Açores e da Madeira, que se realizam, na quarta-feira na e quinta-feira.

Em causa estão as medidas que constam no Orçamento de Estado para 2013 e a não realização de admissões de inspetores no SEF desde 2004.

“Temos um Orçamento de Estado que do nosso ponto de vista é ilegítimo”, disse Acácio Pereira, sublinhando que os inspetores do SEF sentem-se “duplamente penalizados” e “discriminados” em relação aos outros órgãos de polícia criminal tutelados pelo Ministério da Administração Interna.

O sindicalista sustentou que “há um tratamento discriminativo por parte do Governo em relação ao SEF face aos outros órgãos de polícia criminal”, nomeadamente no que toca à admissões e promoções.

“Os outros têm possibilidade de admissões, o SEF não tem; os outros têm possibilidades de promoções, o SEF não tem; aos outros aplica-se a Lei 12/A, ao SEF não é aplicada. Nós não admitimos ser tratados desta maneira, que, do nosso ponto de vista, é indigna”, frisou.

Acácio Pereira referiu também que desde 2004 “não há admissões de pessoal no SEF”, numa altura em que o tráfego e o número de passageiros têm vindo a aumentar.

“Os inspetores do SEF não reivindicam dinheiro, não são questões monetárias que estão em cima da mesa. São fatores de gestão, que põem em causa a segurança do país e a soberania nacional”, disse.

Segundo o presidente do sindicato, a greve às horas extraordinárias pode por em causa as operações de fiscalização do SEF e o trabalho de escolta, uma vez que a maioria destes serviços se realiza após o turno de trabalho e sem receberem qualquer tipo de remuneração.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.