garante director - geral da Saúde

Infecções hospitalares atingem 7% dos internados


 

Lusa/AOonline   Nacional   23 de Set de 2007, 10:19

Pelo menos sete por cento dos doentes internados sofrem infecções hospitalares devido a erros médicos, “incidentes” que podem ser reduzidos e evitados se todos os casos forem investigados, disse hoje o director-geral da Saúde, Francisco George.

 "Mais do que culpabilizar médicos e enfermeiros por eventuais erros, há que estudar a sua origem, como acontecem e em que condições ocorrem", afirmou Francisco George.

Controlar a resistência das bactérias aos antibióticos e lavar frequentemente as mãos são, a título de exemplo, duas medidas que permitem reduzir casos de infecções, segundo o director-geral.

Para Francisco George, estes "incidentes, que podem acontecer, por exemplo, no seguimento de um tratamento hospitalar, são preocupantes e impõem medidas".

"Estudar prioridades de investigação que visem reduzir a probabilidade de surgirem incidentes, incluindo erros médicos, capazes de provocar insegurança no próprio doente" é, segundo o director-geral da Saúde, o objectivo da conferência "Investigação em Segurança dos Doentes - Influenciar a agenda europeia", que decorrerá a partir de segunda-feira no Porto.

O que se pretende é "consensualizar as prioridades para a investigação em Segurança dos Doentes, quer em países desenvolvidos, quer em países em desenvolvimento".

O responsável defendeu a criação de programas de investigação para "tornar evitáveis os incidentes".

Contudo, Francisco George entende que estes programas terão que ser criados em colaboração com as associações de doentes.

"Médicos, especialistas e associações de doentes devem ser chamados a contribuir na concepção e implementação de acções que visem reduzir" as infecções hospitalares, sustentou.

Na sua opinião, o doente deve facilitar o estudo da compreensão e dimensão do seu caso para participar no desenho conjunto de acções que visem reduzir este problema.

"Queremos encorajar a colaboração global, de forma a garantir que se está a desenvolver o tipo correcto de investigação e que a evidência é partilhada. Esta conferência internacional representa um enorme passo para o estabelecimento das prioridades fundamentais na implementação bem sucedida dos programas de investigação na Europa e não só", afirmou Francisco George.

Esta conferência vai reunir cerca de 400 académicos, decisores políticos e representantes de sistemas de saúde da União Europeia e é apoiada pelo Sexto Programa Quadro para a Investigação da Comissão Europeia e pelo Ministério da Saúde português durante a presidência portuguesa da UE.

O valor dos sistemas de notificação nacionais, a compreensão da acção humana na prevenção ou na causa dos acontecimentos adversos, o papel do doente, o controlo das infecções hospitalares e os métodos efectivos para assegurar uma utilização mais correcta da medicação são alguns dos temas em análise neste encontro, que terminará quarta-feira.

   
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.