Açoriano Oriental
Covid-19
Inaceitável não isolar profissionais que contactaram com doentes

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) considera “um comportamento inaceitável” não colocar em isolamento os profissionais de saúde que mantiveram contacto com doentes internados aos quais foi diagnosticado Covid-19, segundo um comunicado divulgado esta quarta-feira.

article.title

Foto: Gonçalo Villaverde - Arquivo DN
Autor: Lusa/AO Online

“A Fnam teve conhecimento de que o Hospital de Santa Maria [em Lisboa] pretende não colocar em isolamento os profissionais de saúde que tiveram contacto direto com os casos diagnosticados com Covid- 19. Pretende que se mantenham ao trabalho, com máscara. Trata-se de um comportamento inaceitável por parte de um dos maiores hospitais do país, que se designa como hospital de referência”, lê-se no comunicado.

Dois doentes internados em enfermarias no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte foram diagnosticados com Covid- 19 e estão isolados, de acordo com uma circular normativa de comunicação interna deste centro hospitalar divulgada hoje pela RTP.

A Fnam refere que “qualquer cidadão em situação de contacto direto com caso diagnosticado com o COVID-19 tem indicação de permanecer em quarentena”, pelo que considera inaceitável que o mesmo não seja adotado para os profissionais de saúde.

“Não se compreende como é que uma Administração Hospitalar toma para si decisões que são do foro da Autoridade de Saúde, mais ainda pretendendo impor aos seus trabalhadores medidas discriminatórias em relação a qualquer outra pessoa. É uma atitude que desrespeita os direitos dos profissionais de saúde e de risco para a população”, lê-se no comunicado.

Acrescentam ainda que a decisão desrespeita recomendações da Direção-Geral de Saúde e do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC).

“A Fnam não será complacente com qualquer falha de segurança que ponha em risco os médicos, outros profissionais de saúde e a população”, conclui o comunicado.

De acordo com a circular normativa hoje divulgada pela RTP, para os profissionais de saúde que mantiveram contacto com os dois doentes, o CHLN determinou a sua divisão em três grupos de abordagem: os que apresentam sintomas, os assintomáticos que mantiveram contactos de risco com os pacientes infetados e profissionais assintomáticos sem critérios de risco.

Aos dois primeiros serão realizados testes laboratoriais e em caso de resultado positivo serão colocados de quarentena. Em caso de resultados negativos vão manter a “atividade profissional regular com máscara e vigilância ativa durante 14 dias”.

Para os profissionais assintomáticos determina-se a manutenção da atividade profissional regular com máscara e vigilância ativa durante 14 dias.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.