Iate proveniente da Venezuela transportava 553 quilos de cocaína


 

Lusa / AO online   Regional   26 de Out de 2009, 11:46

A Alfândega da Horta, em colaboração com a GNR do Faial, apreendeu este fim-de-semana, mais de meia tonelada de cocaína a bordo de uma embarcação de recreio que fez escala na Marina da Horta, revelou o Ministério das Finanças e da Administração Pública.
Num comunicado enviado à imprensa, o Gabinete do ministro de Estado e das Finanças adiantou que os 553 quilos de cocaína, em estado puro, estavam escondidos na estrutura de duas lanchas de fibra transportadas no convés do “Ocean Fregatta”, um veleiro de 20 metros de comprimento.

O elevado peso das duas lanchas de fibra, que aparentemente não será consentâneo com a sua dimensão, levantou suspeitas às autoridades, que as trouxeram para terra para analisá-las ao pormenor.

“Da operação resultou a detecção da cocaína, transportada através de uma metodologia muito sofisticada, já que impossibilitava que a droga fosse detectada pelas equipas cinotécnicas, uma vez que o esconderijo era completamente estanque”, adiantou a mesma fonte.

O iate (tipo escuna), era proveniente de Puerto de La Cruz, na Venezuela, e já tinha feito escala nas Caraíbas, antes de aportar à Marina da Horta, para mais uma escala técnica, e tinha Gibraltar como destino.

Segundo o Ministério da Administração Pública, esta operação de controlo e fiscalização de embarcações de recreio decorreu na sequência de um processo de selecção, tendo em conta “metodologias de análise de risco, que combinam os diversos elementos de informações disponíveis” sobre o iate.

A bordo do «Ocean Fregatta» seguiam dois tripulantes, um de nacionalidade americana e outro de nacionalidade francesa, que foram entretanto detidos pelas autoridades para primeiro interrogatório judicial.

De acordo com o que foi declarado pela própria tripulação, a droga em causa tinha como destino a União Europeia.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.