Crime

Homem que matou mulher e militar da GNR fica em prisão preventiva


 

Lusa / AO online   Nacional   30 de Nov de 2009, 17:25

O homem suspeito da morte da mulher e de um militar da GNR, domingo, em Montemor-o-Velho, ficou esta segunda-feira em prisão preventiva, tendo o tribunal local decretado também a suspensão do exercício do seu poder paternal.
O homem, de 41 anos, foi esta segunda-feira ouvido em Tribunal durante a tarde, ao longo de cerca de três horas.

No final da audiência, um funcionário judicial revelou aos jornalistas que, para além da prisão preventiva, o detido ficou ainda inibido de exercer o poder paternal sobre os dois filhos, um rapaz de 13 anos e uma menina de cinco.

O detido saiu do Tribunal pelas 17:30 locais, pela porta principal do edifício, tendo sido imediatamente colocado numa viatura da Polícia Judiciária, no meio de fortes medidas de segurança.

A GNR promoveu um cordão humano, com dezena e meia de agentes, perante cerca de uma centena de pessoas que gritavam insultos ao suspeito de duplo homicídio.

O homem é suspeito de ter morto a mulher, de 35 anos, quando esta se encontrava dentro de uma ambulância junto às instalações da GNR de Montemor-o-Velho e um militar daquele destacamento territorial.

O comandante do Destacamento da GNR de Montemor-o-Velho disse Domingo, à agência Lusa, que um segundo militar foi baleado na anca, encontrando-se hospitalizado mas livre de perigo.

Segundo o alferes Nogueira, a mulher "com sinais de agressão" apresentou queixa contra o marido por violência doméstica nessa manhã no posto da GNR de Montemor-o-Velho, tendo os militares de serviço chamado uma ambulância para que fosse observada no Instituto de Medicina Legal.

"A mulher ainda arrancou na ambulância mas o condutor foi obrigado a regressar ao posto da GNR por ameaça do marido que seguia no seu encalço", explicou o oficial.

Foi já com a ambulância parada junto ao posto da GNR que o agressor terá disparado uma caçadeira contra a mulher, atingindo-a mortalmente.

A filha, de cinco anos, que acompanhava a mãe na ambulância, ficou ligeiramente ferida e foi assistida no Hospital da Figueira da Foz.

Detido pelos militares do posto, o homicida foi revistado no interior das instalações onde, de acordo com o alferes Nogueira, terá sacado de um revólver e atingido os dois militares.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.