Histórias de tatuagens do ultramar contadas em livro

Histórias de tatuagens do ultramar contadas em livro

 

Ao online   Economia   1 de Jul de 2018, 22:27

Diana Gomes é body piercer e recentemente também começou a fazer tatuagens. Rui Caria é repórter de imagem e fotógrafo. Juntos vão lançar uma obra de textos e fotografias onde contam as histórias de "gente que um dia foi à guerra e ficou tatuada por dentro".

Diana Gomes é body piercer há 18 anos. A vida uniu-a ao marido, José Carlos, tatuador há 21. Juntos, têm o "Poison tatoo" na Praia da Vitória, há 14 anos. As tatuagens são, no fundo, indissociáveis da vida pessoal e profissional do casal e, como tal, o olhar clínico sobre as tatuagens muitas vezes incompreendidas dos ex combatentes do ultramar permitiu ao casal começar a reunir histórias.

Diana é, também, mulher de palavras e começou a escrever alguns textos sobre os "Amor de Mãe", tatuados nos braços destes homens. Para a recente tatuadora este registo é urgente de forma a preservar parte da nossa história: "surge na urgência de as poder “salvar”. Sempre que via uma tatuagem antiga conseguia decifrar se era do ultramar ou não, achava-as lindas e autênticas e muito específicas de uma época.  Estas tatuagens fazem parte da nossa história, com características muito próprias e despertavam-me curiosidade em querer saber mais sobre elas.

 Esta ideia já a tinha tido há muitos anos mas na realidade nunca a tinha contado (a não ser ao José Carlos, o meu marido).

A urgência também dá-se ao tempo que ainda nos resta, que na verdade já não é muito…. Os homens que as têm são senhores na casa dos sessenta e alguns anos. Cada vez são mais raras e difíceis de as encontrar. Quero preservá-las para o todo sempre.", disse Diana ao Açoriano Oriental.

O processo de pesquisa e abordagem já dura há 3 anos. O trabalho está, agora no seu terminus:  "A história de cada um deles vai ser contada, as fotografias vão ser vistas e as tatuagens que fizeram vão permanecer enquanto houver corpo. O livro que queremos mostrar é de gente que um dia foi à guerra e ficou tatuada, por dentro", adiantou a body piercer. 

O momento de decisão foi quando Rui Teixeira foi ao estúdio pedir que lhe tapassem as várias tatuagens que fez no ultramar. Diana achou-as tão perfeitas e identitárias que pediu para que Rui lhe contasse a história daqueles registos no corpo. O ex combatente acedeu à proposta e Diana precisava agora de um fotógrafo que soubesse contar as histórias através de imagens. Rui Caria, a viver há largos anos na Praia da Vitória aceitou o desafio. Diana "Sabia que mesmo que os meus textos não fossem os mais bem escritos ( porque não tenho qualquer formação na área, apenas um gosto desde da minha adolescência de escrever e recitar os meus poemas) as tatuagens do ultramar estariam salvas através do seu talentoso trabalho fotográfico".

"Comecei a procurar senhores que tinham ido ao ultramar, fui à junta de freguesia da Vila das Lajes para ver se conseguia nomes, depois fui falando com pessoas conhecidas e amigas que se iam lembrando de familiares que as tinham. Também fui a um encontro de homenagem aos ex-combatentes e tive a oportunidade de conhecer alguns deles. Visitei o Museu Militar dos Açores, no forte de São Brás na cidade de Ponta Delgada que tem uma sala dedicada ao Ultramar, fui ver onde ficava o Quartel dos Arrifes e também fui ao local onde se situou a Bateria também em Ponta Delgada."

Para a tatuadora terceirense não há histórias mais ou menos importantes: "Na verdade são todas urgentes de registar, porque cada uma possui histórias incríveis, relatos únicos. Não foi muito fácil encontrá-los. Abordei o assunto com delicadeza e com algum cuidado, porque sabia que iria levá-los a memórias intensas e na maioria dos casos menos boas. Pude ouvir histórias de verdadeiros heróis, aprendi imenso com as nossas conversas fiquei deslumbrada com a forma como eles se lembravam como se tivesse sido ontem dos números, dos nomes, das datas e de coisas que se passaram há mais de quarenta anos."

A jovem considera que este livro poderá também ser importante para a comunidade de tatuadores: "acho preciso documentá-las para podermos ver a sua evolução a nível estético e técnico."

As fotografias de Rui Caria acompanhadas pelos textos de Diana Gomes resultarão numa obra que os autores pretendem lançada até ao final do ano.


 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.