Governo ordena inquérito urgente a incidente com helicóptero do INEM

Governo ordena inquérito urgente a incidente com helicóptero do INEM

 

Lusa/Ao online   Nacional   16 de Dez de 2018, 22:25

O ministro da Administração Interna determinou à Proteção Civil a abertura de um “inquérito técnico urgente” ao funcionamento dos mecanismos de reporte da ocorrência e de lançamento de alertas relativamente ao acidente com o helicóptero do INEM.

Numa nota enviada hoje à comunicação social, o ministro Eduardo Cabrita anuncia que “determinou à Autoridade Nacional de Proteção Civil a abertura de um inquérito técnico urgente ao funcionamento dos mecanismos de reporte da ocorrência e de lançamento de alertas em relação ao acidente que envolveu o helicóptero do INEM e que vitimou quatro pessoas”.

O comandante distrital do Porto da Proteção Civil, Carlos Alves, disse hoje que o aviso da queda da aeronave que fez quatro vítimas mortais chegou à Proteção Civil “às 20:15”, cerca de duas horas após o último contacto da aeronave com a torre de controlo.

Sem conseguir “precisar a hora da chegada dos primeiros bombeiros” ao local onde caiu o helicóptero, Carlos Alves assegurou que “a operação [de socorro] foi desenrolada a partir das 20:15”, hora a que a Proteção Civil recebeu o alerta para o acidente.

“O alerta para a Proteção Civil foi às 20:15. Tudo o resto que aconteceu antes não consigo confirmar”, observou o comandante.

Carlos Alves explicou que, antes do alerta à Proteção Civil, “há toda uma série de entidades que entram no processo de despoletar este tipo de operação”, mas disse desconhecer qual foi a primeira entidade a receber o alerta.

A empresa que gere a navegação aérea (NAV) afirmou hoje que alertou, meia hora após a perda de contacto com o helicóptero, entidades como a Proteção Civil e a Força Aérea para a falha de comunicação com o aparelho.

Segundo a NAV, à 19:40 foi avisada a Força Aérea Portuguesa, “que é quem ativa a busca e salvamento”, 20 minutos depois de terem sido contactados os CDOS do Porto, Braga e Vila Real, que “não atenderam”.

A queda de um helicóptero do INEM, ao final da tarde de sábado, no concelho de Valongo, distrito do Porto, causou a morte aos quatro ocupantes.

A bordo do aparelho seguiam dois pilotos e uma equipa médica, composta por médico e enfermeira.

A aeronave em causa é uma Agusta A109S, operada pela empresa Babcock, e regressava à sua base, em Macedo de Cavaleiros, Bragança, após ter realizado uma missão de emergência médica de transporte de uma doente grave para o Hospital de Santo António, no Porto.

Este é o acidente aéreo mais grave ocorrido este ano em Portugal, elevando para seis o número de vítimas mortais em acidentes com aeronaves desde janeiro.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.