Açoriano Oriental
Covid-19
Governo dos Açores prolonga situação de calamidade pública em cinco ilhas

O Governo dos Açores prorrogou a situação de calamidade pública nas ilhas de Santa Maria, São Miguel, Terceira, Pico e Faial, bem como a situação de alerta nas ilhas Graciosa, São Jorge, Flores e Corvo, até dia 1 de outubro.

Governo dos Açores prolonga situação de calamidade pública em cinco ilhas

Autor: Susete Rodrigues/AO Online

Em reunião extraordinária do Conselho do Governo realizada segunda-feira, dia 14 de setembro, por videoconferência, o executivo regional decidiu prorrogar a situação de calamidade pública nas ilhas de Santa Maria, São Miguel, Terceira, Pico e Faial até às 24 horas do dia 1 de outubro; bem como a situação de alerta, nas ilhas Graciosa, São Jorge, Flores e Corvo, igualmente até ás 24 horas do dia 1 de outubro.

A decisão do Governo dos Açores prende-se com o facto de à data de 14 de setembro de 2020 existirem 46 casos positivos ativos nas ilhas de São Miguel, Terceira, Pico e Graciosa.

O Conselho de Governo decidiu ainda, determinar que, após a reabertura do espaço marítimo nacional a navios de cruzeiros e iates provenientes de portos internacionais, deve ser promovida a normalização da atracagem desses navios nos portos e marinas do arquipélago, desde que os respetivos passageiros façam teste à chegada, salvo se a Autoridade de Saúde Regional assim o dispensar atendendo ao tempo de viagem sem escalas e à ausência de sintomatologia.

"Acresce que, perante a evolução da situação da pandemia a nível global, e tendo em conta as ligações aéreas do exterior às ilhas de Santa Maria, São Miguel, Terceira, Pico e Faial, continua a justificar-se a prorrogação da declaração da situação de calamidade pública nestas ilhas, bem como a prorrogação da situação de alerta nas ilhas Graciosa, São Jorge, Flores e Corvo", lê-se no comunicado do executivo.

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.