Açoriano Oriental
Governo dos Açores diz que transferência de utentes de ortopedia por falta de médicos foi "pontual"

A secretária regional da Saúde dos Açores disse hoje que a transferência de utentes da ilha Terceira para a ilha de São Miguel, devido à falta de ortopedistas no hospital, foi uma situação “pontual”.

Governo dos Açores diz que transferência de utentes de ortopedia por falta de médicos foi "pontual"

Autor: Lusa /AO Online

“Não é uma situação que ocorra de forma recorrente. No mês de fevereiro houve a necessidade de transportar um doente do serviço de urgência para o hospital de Ponta Delgada e de transferir outros dois através de voo programado. Foram situações particulares, que não voltaram a acontecer”, afirmou, em declarações à Lusa.

No início de abril, o Bloco de Esquerda questionou o executivo açoriano, em requerimento, sobre a falta de ortopedistas no Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira (HSEIT), alegando que a recusa dos médicos em fazer horas extraordinárias para além do limite legal já tinha obrigado à transferência de doentes para o Hospital do Divino Espírito Santo (HDES), em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Na quinta-feira, a presidente da comissão executiva da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), Joana Bordalo e Sá, considerou que este caso era uma prova da falta de médicos, que obrigava a que grande parte do trabalho fosse feita com recurso às horas extraordinárias.

“Os médicos estão sistematicamente a fazer horas extraordinárias, porque há falta de médicos. Se tivéssemos mais médicos no quadro, o trabalho era distribuído de outra forma e aí os médicos já conseguiam conciliar a sua vida profissional com a sua vida pessoal”, frisou.

Questionada sobre este caso, a secretária Regional da Saúde e Segurança Social do executivo PSD/CDS-PP/PPM disse respeitar a decisão dos ortopedistas.

“Os ortopedistas atingiram as 150 horas na primeira quinzena de janeiro e decidiram não fazer mais trabalho extraordinário. É uma decisão dos médicos do serviço de ortopedia e eu não me vou pronunciar sobre a mesma. Respeito, estão no seu direito”, adiantou.

Mónica Seidi ressalvou, no entanto, que as transferências para Ponta Delgada foram “situações pontuais”, que ocorreram apenas “no início do mês de fevereiro”

Segundo a governante, “de forma inesperada”, os médicos do serviço de ortopedia apresentaram a minuta de recusa de ultrapassar o limite legal de 150 horas extraordinárias e o hospital teve de “procurar soluções”.

“Soluções essas que foram encontradas e até ao momento não houve mais necessidade de transferir doentes para o hospital de Ponta Delgada”, acrescentou.

A secretária Regional da Saúde admitiu a necessidade de contratar mais médicos para o Hospital da Ilha Terceira, mas lembrou que “no ano passado foi aberto um concurso para recrutamento de ortopedistas, que ficou deserto”.

“Neste momento, o corpo clínico do serviço de ortopedia do HSEIT é composto por quatro médicos. Longe vão os tempos em que o mesmo funcionou com dois. Isso aconteceu durante muitos anos. Um dos elementos não está ao serviço, estão três”, apontou.




PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados