Governo diz que redução do 'rating' assenta "no acesso altamente restritivo ao financiamento"

Governo diz que redução do 'rating' assenta "no acesso altamente restritivo ao financiamento"

 

Lusa / AO online   Regional   19 de Nov de 2011, 12:08

O Governo Regional considerou hoje que a decisão da Moody’s em baixar o 'rating' dos Açores para B1 “assenta no acesso altamente restritivo ao financiamento por todas as entidades portuguesas”, frisando ser uma avaliação prevista e "agora confirmada".

"A decisão assenta no acesso altamente restritivo ao financiamento por todas as entidades portuguesas e, embora os Açores tenham, de acordo com a Moody’s, registado um desempenho orçamental satisfatório em 2010, refletido em balanços operacionais positivos e no reduzido deficite de financiamento, os mercados financeiros internacionais continuam efetivamente fechados a todas as entidades portuguesas, não assegurando por isso o acesso aos financiamentos e refinanciamentos necessários da região”, refere uma nota da vice-presidência do Governo regional.

A agência de notação financeira Moody's baixou, na sexta-feira, o 'rating' dos Açores de Ba3 para B1 (um nível), mantendo as perspetivas negativas, considerando que existem “riscos significativos” no que se refere ao financiamento da Região Autónoma.

Numa nota divulgada hoje de manhã, a vice-presidência do Governo Regional dos Açores sustenta que a Moody's conclui ontem o processo de redução do rating da região iniciado a 07 de junho, na sequência das dificuldades de acesso de Portugal aos mercados financeiros internacionais e que implicou a redução do 'rating' de todas as entidades portuguesas com notação.

“Conforme anunciado na altura por aquela agência, a notação da Região seria revista para baixa na conclusão do processo de classificação, fixando-se em B1, de acordo com o previsto”, refere o executivo, acrescentando que a avaliação "decorre da atitude estratégica das agências de notação norte-americanas em relação às entidades públicas europeias".

O executivo açoriano reafirma “o entendimento que o Governo da República, Comissão Europeia e Banco Central Europeu têm assumido sobre a intervenção das agências de notação norte-americanas na atual conjuntura europeia e que originou, a semana passada, uma proposta concreta do Comissário Europeu Barnier no sentido de decretar a suspensão da intervenção das agências de ratting nos países europeus com programas de assistência internacional”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.