Açoriano Oriental
Luanda Leaks
Governo da Madeira diz que críticos da zona franca ficaram desapontados

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, disse que a ligação da empresária Isabel dos Santos ao Centro Internacional de Negócios da região não é "muito grande", o que gerou um "grande desapontamento" em algumas pessoas.

article.title

Foto: MIGUEL A. LOPES/LUSA
Autor: Lusa/AO Online

"Eles queriam que [Isabel dos Santos] tivesse uma ligação muito forte. Alguns, normalmente aquelas forças que são contra o Centro Internacional de Negócios, queriam que houvesse uma ligação muito grande", afirmou o governante, vincando que isso não se verifica.

Miguel Albuquerque fez estas declarações à margem de uma visita à Sé do Funchal, onde decorrem trabalhos de restauro no valor de 1,6 milhões de euros.

Informações divulgadas pela comunicação social nas últimas semanas referem que a empresária angolana teve participação em "várias empresas", pelo menos cinco, sediadas no Centro Internacional de Negócios da Madeira, também designado por zona franca.

"Para grande desapontamento deles [os críticos], essa ligação estava mais concentrada nos bancos do continente e nas empresas do continente do que propriamente no Centro Internacional de Negócios da Madeira", realçou Miguel Albuquerque.

O presidente do executivo regional, de coligação PSD/CDS-PP, acusou, por outro lado, a "nomenclatura portuguesa" de hipocrisia no caso “Luanda Leaks”.

"Acho extraordinário. A nomenclatura portuguesa já está a perguntar ‘Isabel quem?’, como se não a conhecessem", disse, vincando: "Acho extraordinária a hipocrisia vigente na nomenclatura".

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ) revelou no dia de 19 de janeiro mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de “Luanda Leaks”, detalhando esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

Isabel dos Santos, que foi constituída arguida pelo Ministério Público de Angola acusada de má gestão e desvio de fundos da companhia petrolífera estatal Sonangol, disse estar a ser vítima de um ataque político.

A empresária já refutou o que descreveu como "alegações infundadas e falsas afirmações" e anunciou que vai avançar com ações em tribunal contra o consórcio de jornalistas que divulgou a investigação "Luanda Leaks". Isabel dos Santos reafirmou que os investimentos que fez em Portugal tiveram uma origem lícita.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.