Governo britânico quer novas leis para multar operadores de aeroportos


 

Lusa / AO online   Economia   26 de Dez de 2010, 12:16

O Governo britânico quer aprovar novas leis que permitem multar os aeroportos por alterarem as viagens dos passageiros, depois de milhares de pessoas terem visto cancelados os seus voos devido à onda de frio polar.

Segundo o diário ‘The Sunday Times’, o ministro britânico dos Transportes, Philip Hammond, quer novos poderes para evitar que se repita o recente caos nos aeroportos, como foi o caso de Heathrow, que encerrou no passado dia 18 e funcionou em serviços mínimos nos três dias seguintes.

Em declarações hoje publicadas, Hammond considerou inaceitável que a BAA, operador dos principais aeroportos britânicos, entre eles Heathrow, não seja castigada, uma vez que milhares de pessoas tiveram de passar a noite nos terminais aeroportuários.

“Deveria haver uma multa por não cumprir com o serviço. Há que dar maior peso ao rendimento e à satisfação do passageiro”, afirmou o ministro.

O ‘The Sunday Times’ destaca que a BAA foi criticada por não ter estratégia planeada para casos de fortes nevões, uma vez que não investiu o suficiente em máquinas para limpar a neve.

Uma nova lei, acrescenta o jornal, contemplaria a possibilidade de multas por não ter os aeroportos devidamente preparados para condições meteorológicas adversas ou por má gestão, no caso dos terminais não puderem fazer frente à acumulação de passageiros quando há voos cancelados.

A nova legislação apenas permite que seja a Associação da Aviação Civil a multar, em categorias específicas como a falta de limpeza ou falta de lugares, e a multa máxima definida ronda os 63 milhões de libras (74 milhões de euros).

“Como os aeroportos são, acima de tudo, infraestruturas estratégicas, provavelmente precisamos de ter como último recurso algum poder para intervir, coisa que agora não temos, à exceção das questões de segurança”, disse Hammond.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.