Açoriano Oriental
Governo britânico avança com resgate de 1,7 mil ME para a cultura

O governo britânico anunciou hoje um pacote financeiro de 1,57 mil milhões de libras (1,74 mil milhões de euros) para resgatar o setor cultural do país do impacto da pandemia covid-19, que forçou ao encerramento de teatros e salas de concertos.

Governo britânico avança com resgate de 1,7 mil ME para a cultura

Autor: LUSA/AO online

O dinheiro, na forma de subsídios e empréstimos de emergência, destina-se também a outros equipamentos culturais, como museus, edifícios históricos, cinemas independentes, que empregam, no total, cerca de 700 mil pessoas.

O funcionamento do setor continua sob restrições, não sendo permitida a realização de teatro ou concertos de música ao vivo devido ao risco de transmissão do coronavírus, enquanto que noutros espaços a capacidade foi reduzida para respeitar as regras de segurança e distanciamento social.

Apesar de muitas instituições culturais terem recebido algum apoio durante o confinamento, que dura desde 23 de março, algumas iniciaram processos de despedimento e de insolvência devido aos problemas financeiros.

Mais de 350 mil pessoas estão com os contratos suspensos no regime de ‘lay-off’ criado pelo governo, mas um estudo da consultora Oxford Economics publicado há duas semanas alertou para mais de 400 mil postos de trabalho em risco.

Segundo o governo, este financiamento vai “ajudar o emprego, incluindo de profissionais independentes que trabalham nesses setores”.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, disse que “este dinheiro vai ajudar a proteger o setor para as gerações futuras, garantindo que grupos artísticos e recintos em todo o Reino Unido possam manter-se à tona e apoiar os seus funcionários enquanto as portas permanecem fechadas e as cortinas fechadas”.

Apesar de alguma cautela para conhecer os detalhes de como o financiamento vai ser distribuído, várias personalidades e responsáveis do setor manifestaram agrado pelo apoio.

"Este é um próximo passo vital no caminho da recuperação para a indústria e vai ajudar a apoiar e sustentar a vibrante ecologia das artes do Reino Unido ao longo desta crise”, afirmou o diretor executivo da Royal Opera House, Alex Beard.

O Reino Unido registou até domingo 44.220 mortes (em 285.416 casos de contágio) durante a pandemia covid-19, o número mais alto na Europa e o terceiro maior no mundo, atrás dos EUA e Brasil.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 531 mil mortos e infetou mais de 11,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.