Salários

Fesap desvaloriza garantia de aumento do salário mínimo


 

Lusa/AOonline   Economia   27 de Out de 2008, 16:52

A FESAP desvalorizou as recentes declarações do primeiro-ministro, que garantiu o aumento do salário mínimo para 450 euros, e a Frente Comum acusou José Sócrates de "show-off" político com um acordo obtido em concertação social.
"Não é o eng. José Sócrates que quer dar 450 euros de salário mínimo. O Governo tem que cumprir o que foi estabelecido. Está a fazer 'show-off' político com isto, todos os anos o faz", acusou a dirigente da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila.

    A sindicalista falava aos jornalistas à margem da reunião negocial sobre questões técnicas e legislação laboral para o próximo ano, que decorreu no Ministério das Finanças, com o secretário de Estado da Administração Pública, Gonçalo Castilho dos Santos.

    "O Governo tem que estabelecer o salário mínimo tendo em conta o acordado e para o ano tem que fazer a mesma coisa", acrescentou Ana Avoila.

    Também para o dirigente da Frente dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP), Nobre dos Santos, a garantia de aumentar o salário mínimo para 450 euros, dada pelo primeiro-ministro, José Sócrates, em entrevista publicada no passado fim-de-semana pelo Diário de Notícias e pela TSF, não é mais que o cumprimento daquilo que foi prometido em concertação social.

    "[O valor de 450 euros] é respeitar aquilo com que [o primeiro-ministro] se comprometeu. Não merece contestação nem conversa de espécie nenhuma", declarou o coordendor daquela estrutura sindical, à margem da reunião negocial.

    "Não percebo qual é a ânsia [em relação a esta matéria], porque há um acordo entre o Governo e as centrais sindicais", declarou o sindicalista que disse ainda compreender a posição de discordância trazida a público pelas entidades patronais, mas sublinhando que, do lado dos trabalhadores, "se não houver capacidade de consumo as coisas complicam-se um bocado".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.