Liga dos Campeões

FC Porto perde com Chelsea que ganha Grupo D

FC Porto perde com Chelsea que ganha Grupo D

 

Lusa/AO online   Futebol   25 de Nov de 2009, 20:10

O FC Porto, já apurado para os oitavos-de-final, perdeu hoje as últimas hipóteses de vencer o Grupo D da Liga dos Campeões em futebol, ao cair novamente por 1-0 frente ao Chelsea, agora no Dragão
Um golo de Anelka, aos 69 minutos, impediu hoje o FC Porto de continuar a sonhar com o primeiro lugar do grupo D da Liga dos Campeões em futebol e permitiu ao Chelsea vencer (1-0), na quinta jornada.

No Estádio do Dragão, o FC Porto registou a segunda derrota frente a equipas inglesas, depois do desaire com o Manchester United nos quartos-de-final da Liga dos Campeões da temporada passada, também por 1-0, mas, pior que isso, ficou matematicamente impossibilitado de alcançar o primeiro lugar da “poule”, já entregue aos londrinos.

No jogo em que apenas a classificação do grupo contava - as duas equipas tinham-se apurado para os “oitavos” na ronda anterior -, o FC Porto esteve muito bem nos últimos 30 minutos da primeira parte e teve, além de uma bola na trave, uma excelente ocasião por Falcao.

Depois de ter ficado em primeiro lugar dos grupos nas duas últimas épocas, o FC Porto voltou também a perder com o Chelsea (soma já quatro derrotas, contra um empate e uma vitória) e foi, sobretudo no segundo tempo, incapaz de contrariar o jogo chato, paciente e experiente do líder do campeonato inglês.

Ainda assim, a equipa liderada por Jesualdo Ferreira apresentou algumas melhorias relativamente a jogos anteriores e pode - e deve - encarar com optimismo as próximas etapas no campeonato português e na Liga dos “milhões”.

Com o guarda-redes Beto a estrear-se na Europa do futebol, o FC Porto apresentou-se num clássico 4x3x3, com Sapunaru, Rolando, Bruno Alves e Álvaro Pereira na defesa, Fernando, Raul Meireles e Belluschi no meio campo e, com Hulk no banco, Jesualdo Ferreira surpreendeu com Varela, Rodriguez e Falcao.

O Chelsea surgiu em 4x4x2, com Petr Cech na baliza, uma defesa com Ivanovic, Ricardo Carvalho, John Terry e Yuri Zhirkov, ficando Obi Mikel, Michael Ballack, Malouda e Deco no meio-campo e no apoio aos avançados Nicolas Anelka e Didier Drogba.

Num ritmo muito lento nos minutos iniciais e com os esquemas tácticos a intensificarem um espectáculo triste, a partida só começou a ganhar algum encanto aos 15 minutos, num remate forte de Anelka, para defesa aparatosa de Beto.

O FC Porto, que até então parecia adormecido, mas muito por causa do ritmo imposto pelo Chelsea, cresceu aos 21 minutos, com duas excelentes oportunidades de golo: Belluschi rematou forte, Cech não segurou e, na recarga, Falcao foi incapaz de voltar a superar gigante guarda-redes checo.

Crente na possibilidade de vencer o líder do grupo e da liga inglesa, o FC Porto tornou-se mais destemido, encontrou forma de libertar-se da teia desenhada pelo Chelsea e, aos 30 minutos, Belluschi rematou com estrondo à barra, na sequência de uma jogada de Varela, da direita.

No mesmo minuto, Falcao permitiu a Cech nova defesa apertada.

Melhor nos últimos 30 minutos da primeira parte, fruto de grande coesão defensiva e rapidez no ataque, o FC Porto sentiu dificuldades no recomeço do encontro, com o Chelsea a aproveitar bem os espaços vazios. Aos 52, Deco ameaçou com um remate forte e pouco ao lado do poste direito da baliza portista.

Com a entrada de Hulk, aos 60 minutos, para o lugar de Varela, o FC Porto ganhou maior profundidade ofensiva e foi mesmo o possante avançado brasileiro a dar o primeiro sinal da ambição “azul-e-branca”, com um remate por cima, aos 66.

Com muita posse de bola e um futebol de passe curto, o Chelsea viria a marcar aos 69 minutos, quando Malouda cruzou da esquerda e Anelka, a centímetros da linha de golo e sem oposição, cabeceou perante a ineficácia de Beto.

Aos 76 minutos, o Estádio do Dragão levantou-se em massa para aplaudir a saída de Deco (entrou Joe Cole) e, aos 78, Rodriguez cabeceou ligeiramente por cima, em nova ocasião de perigo para os “dragões”.

Pouco depois, Jesualdo Ferreira apostou tudo na entrada de Farias e saída de Sapunaru e foi Hulk, de novo, a criar nova oportunidade de golo, aos 82 minutos, valendo a segurança de Cech.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.