Crianças

Falta de dados sobre a infância não é inocente

Falta de dados sobre a infância não é inocente

 

Lusa / AO online   Nacional   19 de Nov de 2009, 10:33

O Comité Português da UNICEF lamenta a falta de recolha e tratamento de dados sobre a infância, considerando que a falha não é inocente, já que sem os números é como se as realidades não existissem.
"Deparamo-nos muitas vezes com a falta de dados sobre a infância. As Nações Unidas exigem respostas e dados a uma série de parâmetros e existem países que não conseguem responder sobre tudo, mas também há muitos que conseguem responder a muito mais coisas do que nós", lembra Catarina de Albuquerque, da Unicef portuguesa.

Para aquela responsável, a ausência de números sobre determinadas franjas da sociedade é "bastante sintomática" porque "mostra falta de interesse, de cuidado e de preocupação com determinados grupos da população que são sistematicamente esquecidos, que não estão no mapa".

No relatório "Situação Mundial da Infância", que a Unicef divulga esta quinta-feira, são referidas as situações mais vezes "esquecidas": dados sobre o gozo de direitos entre diferentes sexos, entre zonas rurais e urbanas, entre pessoas pertencentes a determinadas minorias ou grupos indígenas e entre as crianças com e sem deficiência.

A presidente do Comité Português da UNICEF, Madalena Marçal Grilo, lembra que "é importante conhecer a situação para que esse conhecimento possa enformar as políticas governamentais".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.