Açoriano Oriental
Covid-19
Faculdades e alunos preparam final de semestre com época de exames diferente

Os alunos do Ensino Superior estão a preparar-se para o final de um segundo semestre à distância, com as faculdades a encontrarem alternativas à habitual época de exames no ‘online’ ou em provas presenciais diferentes.

Faculdades e alunos preparam final de semestre com época de exames diferente

Autor: Lusa/AO Online

A pandemia da Covid-19 obrigou os alunos do Ensino Superior a trocarem, em março, os ‘campi’ das suas faculdades e politécnicos pelas suas casas e, apesar de algumas instituições já terem retomado parte das atividades letivas presenciais, o ensino continua a fazer-se maioritariamente à distância.

À medida que se aproxima o final do segundo semestre, as instituições ultimam os preparativos para a habitual época de exames, que este ano se realiza em circunstâncias excecionais, com soluções que vão desde exames escritos, avaliações orais por videoconferência ou exames presenciais, com as regras a que o contexto atual obriga.

Na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL), o modelo que está em cima da mesa para a época de exames, que arranca na segunda-feira, é o de provas escritas, síncronas, com vigilância através da plataforma de videoconferência Zoom.

“Nenhum modelo vai ser consensual, vai sempre haver pessoas descontentes com qualquer alternativa que seja apresentada”, disse à Lusa uma aluna da FFUL, Patrícia Simões, explicando que alguns colegas não concordam com a gravação do exame, que dizem pôr em causa o Regime Geral de Proteção de Dados.

Nesta faculdade, os exames finais vão ser feitos através da plataforma de ‘e-learning’ Moodle, mas os alunos devem estar, em simultâneo, conectados numa chamada de vídeo, que será gravada, para assegurar a credibilidade da avaliação e evitar fraudes.

“Isto já acontece desde o início das aulas ‘online’, todas as aulas são gravadas e nunca ninguém levantou problemas em relação a isso”, contou a aluna do mestrado integrado em Ciências Farmacêuticas, explicando que, depois de algumas queixas, a questão está a ser avaliada pelo Conselho Pedagógico.

Esta alternativa é aquela que, sendo à distância, mais se assemelha aos habituais exames presenciais e, como a FFUL, também a Faculdade de Medicina da UL ou as faculdades de Economia, Medicina e de Direito da Universidade Nova de Lisboa (UNL) vão privilegiar o modelo síncrono.

“A Nova está a garantir tudo aquilo que já tínhamos antes”, elogiou Márcia Pires, aluna do mestrado em Direito e Tecnologia, contanto que mesmo o anonimato dos exames, que antes era assegurado na realização das avaliações presenciais na Faculdade de Direito, se mantém, através de uma aplicação que atribui números de código ao título dos documentos.

Mesmo nesta fase, as instituições mantém-se atentas às dificuldades dos estudantes no acesso a computadores e Internet, e, por isso, muitas permitem que os alunos que não tenham condições para fazer os exames síncronos em casa o possam fazer no ‘campus’, através dos equipamentos da escola.  

“Quem tiver este tipo de dificuldades comprovada poderá fazer os exames aqui na escola, ao mesmo tempo que os colegas estarão a fazer o exame em casa, desde que cumprindo as medidas de distanciamento social e higienização recomendadas pelas autoridades de saúde”, confirmou a Faculdade de Medicina, uma das muitas a propor esta alternativa.

Para João Barreiros, o problema da ligação à Internet só se colocou uma vez, durante a única avaliação oral ‘online’ que teve até à data, já que no mestrado em Direito Fiscal, da Universidade Católica Portuguesa (UCP), em que João está a concluir o primeiro ano, os professores têm optado, sobretudo, por outro modelo, assente numa avaliação assíncrona escrita.

“A maioria das avaliações está a ser feita via escrita e os professores ou optam por fazer um exame e dão tempo para a resolução, seja um dia inteiro ou até uma semana, ou propõem um trabalho”, explica, sublinhando que, no seu caso, estes elementos fazem parte da avaliação contínua, uma vez que não existem exames finais.

À semelhança do curso de João Barreiros, a maioria das avaliações na UCP será ‘online’, mas a Católica é uma das instituições que retomou, em maio, algumas atividades letivas presenciais e, nesses casos, a avaliação será também presencial.

“Nestes casos, os exames decorrerão nos espaços da escola que permitam respeitar as normas de distanciamento social”, adiantou a instituição à Lusa, assegurando que todas as medidas de segurança serão cumpridas.

Os alunos da UCP são dos poucos que vão poder voltar aos ‘campi’ para fazer os habituais exames finais, à moda antiga, mas não são os únicos.

Também na Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL) essa será uma possibilidade a partir da próxima semana e a instituição prevê que cerca de 60% dos exames sejam presenciais.

No ISCTE, a 1.ª época de exames também será mista e os coordenadores de cada disciplina poderão decidir pelo modelo ‘online’ ou por provas presenciais, que se têm realizado na ampla sala de estudo do ‘campus’.  

No entanto, por considerar que “a avaliação por exame é um direito de todos os estudantes inscritos nos cursos do ISCTE”, a reitoria, liderada por Maria de Lurdes Rodrigues, decidiu que a avaliação na 2.ª época será integralmente presencial e, para isso, reservou 12 salas nas instalações da Feira Internacional de Lisboa (FIL), que vão começar a ser utilizadas a partir de segunda-feira.

“A opção pela modalidade de avaliação presencial na 2.ª época e na época especial justifica-se pela necessidade de garantir um momento que ofereça a todos os estudantes uma oportunidade de avaliação em igualdade de condições”, afirma a instituição.

Entre os três estudantes universitários ouvidos pela Lusa, nenhum terá exames presenciais e aplaudem a decisão das faculdades nesse sentido.

“É complicado garantir todas as medidas de segurança e também não estava disposto a fazer exame com os constrangimentos atuais. Ainda por cima, agora no verão, estar a fazer o exame com máscara, com o calor… não”, afirma João Barreiros, considerando que, apesar de preferir a avaliação presencial, a alternativa tem funcionado bem.

Já Patrícia Simões admite que os exames presenciais permitem ultrapassar algumas dificuldades que estão a ser agora levantadas, quando se preparam as avaliações ‘online’, mas concorda que, no contexto atual, esta é a melhor alternativa, referindo que muitos colegas regressaram a casa depois de saber que as aulas presenciais não seriam retomadas.

“No geral, acho que a faculdade está a fazer um esforço enorme para que os exames à distância sejam o mais semelhante possível aos exames presenciais, que haja uma uniformidade. Isto é uma situação totalmente excecional e portanto acho que apesar de tudo estão a agir sinceramente bem”, elogiou a estudante de Ciências Farmacêuticas.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.