Euro cai e regressa aos 1,13 dólares

Euro cai e regressa aos 1,13 dólares

 

Lusa/Ao online   Economia   3 de Nov de 2018, 07:11

O euro desceu esta sexta feira face ao dólar, regressando à barreira dos 1,13 dólares, no mesmo dia em que foi anunciado que os governos da China e dos EUA acordaram reforçar as trocas comerciais.

Às 18:25 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1384 dólares quando na quinta-feira, pelas 18:50, negociava a 1,1407 dólares.

O euro também subiu face à libra e ao iene.

O Banco Central Europeu (BCE) fixou hoje a taxa de câmbio de referência do euro em 1,1417 dólares.

O presidente chinês, Xi Jinping, teve uma conversa telefónica “extremamente positiva” com o presidente norte-americano, Donald Trump, sobre comércio e outros assuntos, indicou hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China.

Os dois líderes acordaram “reforçar as trocas comerciais”, disse o porta-voz do ministério, Lu Kang, sem dar indicações sobre se foram feitos progressos na resolução da escalada na guerra de tarifas sobre a política relativa à tecnologia de Pequim.

Trump tinha referido antes na rede social Twitter que ele e Xi tinham tido uma “muito boa” conversa.

“Concordo, esta conversa telefónica foi extremamente positiva”, declarou Lu num contacto com os jornalistas.

Pequim está a investir milhares de milhões de dólares para formar fabricantes de 'chips', visando tornar o país no líder global nos setores robótica ou inteligência artificial.

Os EUA consideram que a estratégia de Pequim viola os seus compromissos em abrir o mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às firmas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

O Presidente norte-americano já anunciou taxas de até 25% sobre um total de 250 mil milhões de dólares (212 mil milhões de euros) de importações oriundas da China, visando pressionar o país a recuar nos seus planos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.