Direitos humanos

Espanha recusa investigar crimes do franquismo


 

Lusa/AO online   Internacional   21 de Set de 2010, 18:26

A Espanha recusou esta terça-feira no Conselho dos Direitos Humanos da ONU uma investigação sobre os desaparecidos durante a guerra civil e a repressão franquista, opondo-se a uma recomendação feita por vários países latino-americanos.
Em Maio, cinco países latino-americanos pediram a Madrid para investigar os crimes cometidos no referido período.

O México recomendou a Espanha para "investigar os casos de desaparecimentos forçados, para punir os responsáveis e para indemnizar as vítimas, independentemente da data das infracções, tendo em conta o carácter permanente destes actos e em conformidade com as suas obrigações internacionais".

A recomendação foi "recusada", indicou a Espanha numa resposta por escrito ao Conselho dos Direitos Humanos.

O embaixador espanhol junto da ONU, Javier Garrigues, afirmou perante o Conselho que a magistratura e os tribunais espanhóis agem "em todos os casos de denúncia de desaparecimentos (...) segundo os princípios que regem a função judicial em Espanha" e de acordo com a lei do país.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.