Saúde

Equipa portuguesa vence prémio internacional com nova abordagem a doenças pulmonares

Equipa portuguesa vence prémio internacional com nova abordagem a doenças pulmonares

 

Lusa/AO Online   Nacional   19 de Dez de 2008, 14:22

Uma nova abordagem ao diagnóstico e tratamento de doenças pulmonares, através de nano-transportadores de fármacos, venceu um prémio internacional instituído pela Associação de Estudos Respiratórios, hoje entregue em Coimbra.
 O Prémio Robalo Cordeiro - Associação de Estudos Respiratórios/GlaxoSmithKline, dotado de 25.000 euros, foi entregue à equipa liderada pela professora da Universidade de Coimbra Filomena Botelho e que integrou ainda Alcides Marques, Célia Gomes, Ferreira da Silva, Vasco Bairos, Santos Rosa, Antero Abrunhosa e Pedroso de Lima.

    “Este prémio valoriza a cultura científica e a actividade científica em Portugal. Os investigadores não trabalham para receber prémios, mas a relevância da sua actividade também se expressa desta maneira”, afirmou o reitor da Universidade de Coimbra, na sessão de entrega do galardão.

    Seabra Santos expressou ainda “profundo reconhecimento” da instituição que dirige pela “qualidade do trabalho” da equipa vencedora, que “espelha o que se faz na Universidade de Coimbra e na comunidade universitária nacional”.

    “Nanoradioliposomas modulados molecularmente para estudar a drenagem linfática profunda pulmonar” consiste num novo método desenvolvido para visualizar especificamente a rede de vasos linfáticos pulmonares profundos através de nanoradioliposomas administrados por via respiratória.

    No que se reporta às doenças pulmonares, particularmente tumorais, este método possibilita a abordagem aos níveis de diagnóstico e tratamento. Ao nível do tratamento pode transportar os medicamentos de forma a que estes actuem no local das lesões, aumentado assim a eficácia terapêutica e diminuindo os efeitos secundários.

    O prémio, que tem como patrono o professor jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Robalo Cordeiro, é bianual e dirige-se a investigadores dos países da União Europeia e de língua oficial portuguesa.

    Para o antigo presidente da Assembleia da República Almeida Santos, que participou na sessão de entrega do prémio, estes galardões “são um estímulo para fazer avançar a ciência”.

    Fontes Baganha, que apresentou o patrono do prémio, Robalo Cordeiro, disse que ele “tentou dar alma à medicina e uma consciência à ciência”, inaugurando no seu tempo “uma nova era no ensino, investigação e na prática clínica”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.