Endividamento não se deve às obras públicas

 Endividamento não se deve às obras públicas

 

Lusa/AO Online   Economia   29 de Nov de 2009, 07:35

O bastonário da Ordem dos Engenheiros (OE), Fernando Santo, afirmou hoje que o sector da construção "é o motor do desenvolvimento" da economia nacional, para sublinhar que o problema do endividamento do país não está nas obras públicas.

"Não desviemos atenções. O nosso défice não tem nada a ver com obras públicas. Pelo contrário. Entre 2002 e 2007, houve um forte desinvestimento nas obras públicas e é por isso que a economia portuguesa está como está", referiu, à Lusa.

Fernando Santo, que falava em Viana do Castelo no âmbito do Dia Nacional do Engenheiro, defendeu que a questão do endividamento público resulta da "incapacidade de Portugal de produzir o que consome".

Aludiu, concretamente, à "forte importação" de produtos alimentares e de energia e ao desinvestimento nas indústrias de bens transaccionáveis.

"Isto provoca um estrangulamento brutal do país, que está quase na bancarrota", afirmou.

Numa altura em que se prepara para abandonar a liderança da OE, onde se manteve nos últimos seis anos, Santo criticou a "massificação" de licenciaturas de engenharia no país, título atribuído de igual forma a quem fez o curso em três anos, ao abrigo do Processo de Bolonha, e a quem estudou cinco.

"Não é a mesma coisa ter um curso de três anos ou um curso de cinco, as competências não podem ser as mesmas", referiu, para sublinhar que "as estatísticas são a razão de ser deste nivelamento por baixo".

"Pretende-se a massificação, pondo em causa todo o processo que Portugal seguiu desde Fontes Pereira de Melo", acrescentou.

Segundo o bastonário, a OE "defende a qualidade", mas tem a oposição "de um forte exército que não a quer".

No mesmo registo, criticou a "falta de qualidade do sistema educacional" do País, que, na sua opinião, nos últimos anos apenas se tem preocupado "em atribuir títulos".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.