Economia portuguesa deverá cair 1,6% este ano

Economia portuguesa deverá cair 1,6% este ano

 

Lusa/AO online   Economia   8 de Out de 2013, 12:22

A economia portuguesa deverá contrair 1,6% este ano, estima hoje o Banco de Portugal, que melhora as perspetivas face às anunciadas em julho, em que apontava para uma contração de 2% do Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com o Boletim Económico de Outono, hoje divulgado pelo banco central, a economia deverá recuar 1,6% este ano, depois de em 2012 ter contraído 3,2%.

Para este comportamento da economia portuguesa, contribuíram sobretudo as exportações, que deverão crescer 5,8% (em julho, a estimativa apontava para um aumento mais modesto, de 4,7%).

Para 2013, o Banco de Portugal estima que o consumo privado caia 2,2%, que o investimento recue 8,4% e que a procura interna contraia 3%.

No Boletim Económico de Verão, divulgado em julho, o Banco de Portugal apresentava perspetivas piores para o comportamento destas variáveis, esperando uma queda do consumo privado de 3,4%, do investimento de 8,9% e da procura interna de 4,4%.

O Boletim Económico de Outono, que era habitualmente divulgado em novembro, passou a ser publicado no início de outubro e deixou de incluir a atualização das projeções macroeconómicas do Banco de Portugal, não tendo, por isso, perspetivas para 2014.

O banco central justifica a alteração como as regras do Eurosistema, de acordo com as quais “não seria possível incluir nas projeções a informação constante no Orçamento do Estado, o que condicionaria substancialmente a qualidade e relevância da projeção".

Nas suas últimas previsões, divulgadas com o Boletim Económico de Verão, em julho, o Banco de Portugal estimava uma contração de 2% para 2013, mas para 2014 as perspetivas do banco central foram revistas em baixa, esperando o banco central que a economia cresça apenas 0,3% e não 1,1% como calculado em março.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.