“É preciso ultrapassar cultura de mero consumismo”

“É preciso ultrapassar cultura de mero consumismo”

 

A União   Regional   23 de Dez de 2008, 10:06

“A crise financeira, que alastra pelo mundo, vem mostrar-nos que é preciso ultrapassar a cultura do mero consumismo, com estilos de vida mais sóbrios e austeros”.

 A ideia é defendida pelo Bispo de Angra na sua Mensagem de Natal, onde o Prelado salienta que “é evidente que se exigem da parte dos responsáveis maior rigor e controlo, mais honestidade e competência, mas também da parte de todos uma cultura da solidariedade, para que haja lugar para todos no banquete da vida”.
“É o que nos recomenda o Papa, na Mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2009, em que exorta a comunidade cristã a “assegurar o seu apoio à família humana inteira, nos seus impulsos de solidariedade criativa, tendentes, não só a partilhar o supérfluo mas sobretudo a alterar os estilos de vida, os modelos de produção e de consumo, as estruturas consolidadas de poder, que hoje regem as sociedades…”, contextualiza.
Para o Bispo de Angra, “Deus veio ao mundo para tornar possível uma sociedade mais justa, solidária e fraterna”.
“Por isso, S. Paulo exorta a viver com piedade. O que significa construir a vida com Deus, segundo a Sua vontade e o Seu desígnio de Amor, que é a vida com abundância para todos”, reforça o raciocínio na sua Mensagem de Natal.
Com o Natal de Jesus, advoga D. António, “Deus estabeleceu a Sua tenda no meio de nós”.
“No Menino do presépio, Ele é o Emanuel, Deus connosco e por nós. Sem Ele, não há futuro para a humanidade. Quando não há lugar para Ele, inviabiliza-se o verdadeiro humanismo. Deus humaniza a nossa existência”, argumenta.
“Não se trata, pois, de buscar a Deus nas nuvens, mas na terra dos homens, vivendo com sobriedade, justiça e piedade. E será Natal. Também hoje. E apesar de tudo.
Boas Festas de Natal, na alegria e esperança do Deus-Menino!”, concretiza o Bispo de Angra.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.