Açoriano Oriental
Doentes não covid-19 precisam de atenção, alerta Convenção Nacional da Saúde

A Convenção Nacional da Saúde alertou o Presidente da República que os doentes “não covid-19” precisam de atenção e que é preciso unir todos os setores, público, privado e social, para o combate à pandemia.


Autor: Lusa/AO online

Após uma audiência com Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Convenção Nacional de Saúde (CNS), Eurico Castro Alves, disse aos jornalistas que sugeriu mesmo a Marcelo Rebelo de Sousa que fosse criada no país uma pasta, a nível de secretaria de Estado, dedicada ao tratamento do acesso dos doentes não covid-19, articulando com os setores público e privado para que “nenhum doente” tenha “atraso nos tratamentos”.

O responsável lembrou que a CNS junta 180 instituições do setor da saúde, incluindo 70 associações de doentes, e disse aos jornalistas que foi dizer ao Presidente da República que os doentes não covid-19 sentem que “não estão a ter a atenção necessária”.

“Compreendemos que há uma situação de emergência, as atenções têm de ser dirigidas aos doentes covid-19, mas há quatro milhões de consultas por fazer, há 100 mil cirurgias por fazer (…) e é preciso garantir o acesso a estes doentes “, realçou.

Por este motivo deixou a sugestão de se unirem esforços e pôr todos os recursos disponíveis ao serviço dos cidadãos.

“Acredito que é tempo de não termos preconceitos ideológicos, e de tomarmos decisões de ir ao encontro do que os portugueses precisam neste momento. E temos recursos disponíveis. O que o CNS pede é que esses recursos sejam organizados e que sejam postos ao serviço”, de forma a que as pessoas tenham acesso a cuidados de saúde, “que neste momento não estão acessíveis”, disse o responsável.

No entender de Eurico Castro Alves é preciso alguém que saiba organizar esses recursos, sendo que no futuro “se calhar” deverá haver hospitais que só tratam doentes covid-19 e outros só para doentes cirúrgicos. E lembrou que das mortes não esperadas dos últimos meses três quartos foram de doentes não covid-19.

O Presidente da República tem estado a ouvir personalidades e entidades ligadas ao setor da saúde.

Antes de Eurico Castro Alves esteve reunido com Marcelo Rebelo de Sousa o presidente da Assistência Médica Internacional (AMI), Fernando Nobre, que reiterou a sua oposição ao uso generalizado de máscaras, especialmente em crianças.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 44 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.395 pessoas dos 128.392 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.