Diversos comandantes dão pareceres favoráveis a proposta para porto da Horta

Diversos comandantes dão pareceres favoráveis a proposta para porto da Horta

 

Lusa/AO Online   Regional   23 de Mai de 2019, 13:27

Um conjunto de comandantes que operam no porto da Horta, na ilha do Faial, apresentou uma série de pareceres favoráveis à requalificação do espaço, processo que tem merecido contestação de partidos políticos e empresários.

A agência Lusa teve acesso a quatro pareces de pilotos que operam no porto da Horta.

Marco Madruga, diretor de Operações Portuárias e Chefe de Pilotagem, considera que a solução apresentada pela Portos dos Açores "não apresenta qualquer tipo de problema para a entrada, manobra de atracação e atracação dos navios, quer para os que neste momento são habituais frequentadores do porto, quer para navios com características semelhantes que um dia possam vir igualmente a frequentar este porto".

Já o comandante Filipe Gomes, piloto residente na Ilha das Flores, que opera no porto da Horta sempre que necessário, é da opinião que "havendo a separação da navegação comercial da navegação de recreio, estarão reunidas as condições de operacionalidade para o movimento/rotação dos navios".

Lizuarte Machado, piloto residente na ilha do Pico, que opera no porto da Horta sempre que necessário, diz ser provável que não venha a existir "qualquer constrangimento, quer operacional quer de manobrabilidade, no que diz respeito ao acesso ao porto comercial".

"Aliás, a separação, total e permanente, entre a náutica de recreio e a navegação comercial, constitui um significativo acréscimo na segurança das mesmas", prossegue, no seu parecer ao projeto.

Outro parecer a que a agência Lusa teve acesso foi do comandante Paulo Azevedo, piloto residente na ilha do Faial, para quem "a nível de operacionalidade e manobrabilidade não haverá qualquer constrangimento visto que o espaço de manobra" necessário "mantém-se igual".

"O único pouco negativo que poderei considerar, a nível de operacionalidade e manobrabilidade, será o estrangulamento da área de saída da náutica de recreio/pescas pois na época sazonal poderá haver mais movimento e menos espaço para dar o devido resguardo aos navios mercantes, o que poderá haver algumas interferências com as manobras", diz ainda.

O PSD/Faial disse na quarta-feira estar contra o projeto apresentado pelo Governo socialista para a requalificação do porto da Horta, nos Açores, por entender que a solução proposta pode "destruir" o futuro daquela infraestrutura.

Embora admita não ter "conhecimentos técnicos" para avaliar a solução proposta pelo executivo para o porto da Horta, o deputado do PSD/Açores Carlos Ferreira entende ser necessário "bom senso" e "capacidade de ouvir" a comunidade portuária, que tem colocado "dúvidas fundamentadas" sobre este projeto.

O deputado social-democrata referia-se às críticas feitas, no final da semana passada, pela Mesa de Turismo da Câmara do Comércio e Indústria da Horta, que também contesta o projeto de requalificação do porto da Horta, obra orçada em mais de 17 milhões de euros.

"Condenamos e lamentamos a forma descuidada como foi conduzido este processo, que devia envergonhar esta governação, e que tem prejudicado no presente o Faial e o seu porto, e se arrisca a condicionar para sempre o seu futuro", insiste o social-democrata.

O principal ponto de discórdia em relação ao projeto de requalificação do porto da Horta, lançado pela empresa pública Portos dos Açores, é a construção de um novo cais, com enrocamento exterior, no interior do porto comercial, dividindo a zona das mercadorias da marina da Horta, uma das mais movimentadas da Europa.

Apesar de todas estas críticas, o presidente do Conselho de Administração da Portos dos Açores, Miguel Costa, afirma que "esta é a melhor solução" para a requalificação do porto da Horta e que muitas das críticas não têm fundamento.

Segundo Miguel Costa, a obra deverá ser lançada a concurso em breve, prevendo-se que tenha início no final deste ano ou no início de 2020.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.