Açoriano Oriental
Diogo Fonseca despede-se a fazer aquilo que melhor sabe

O avançado micaelense bisou e ainda fez uma assistência na goleada do União Micaelense sobre o Águia dos Arrifes para a Taça de Honra - João de Brito Zeferino


Foto: Nuno Martins Neves
Autor: Nuno Martins Neves

O relógio marcava o minuto 67 quando o número 9 foi levantado. Ao fim de pouco mais de uma hora de jogo, Diogo Fonseca (34 anos) dava os últimos passos num relvado como futebolista, virando-se para aplaudir as dezenas de pessoas que foram ao “Jácome Correia” assistir ao último jogo da sua longa carreira. Ali, no meio do campo onde deu o primeiro pontapé, viu-lhe ser retribuído o carinho pelo público, família, colegas de equipa e até adversários. Saiu para dar lugar a Xuxula e despediu-se fazendo o que sabe fazer melhor: marcar golos.

Um cabeceamento na primeira parte e um desvio à matador na segunda metade do encontro de ontem, a que se juntou ainda uma assistência para o 3-0 de Álvaro. Diogo Fonseca cumpriu o sonho e desejo de finalizar a sua vida profissional como jogador ao serviço do Clube União Micaelense e ainda teve as honras de envergar a braçadeira de capitão.


Ler mais na edição desta segunda-feira, 30 setembro 2019, dor jornal Açoriano Oriental


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.