Despiste no Pico nas mãos do Conselho de Disciplina da FPAK

Despiste no Pico nas mãos do Conselho de Disciplina da FPAK

 

Nuno Martins Neves/AO Online   Motores   15 de Out de 2018, 09:18

Colégio de Comissários do rali do Pico castigou a Play/AutoAçoreana Racing em três mil euros e deixou para a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting outras decisões sobre o despiste de Bernardo Sousa.

O Colégio de Comissários do VII Pico Play/AutoAçoreana Rali aplicou uma multa pecuniária de 3 mil euros à Play/AutoAçoreana Racing, na sequência do despiste do Citröen DS3 R5 de Bernardo Sousa e Valter Cardoso e consequente impacto no decorrer do rali.

No entanto, os “árbitros” do sexto rali do Campeonato dos Açores d eRalis consideraram que será o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) a decidir se o incidente que está a marcar o final do Regional terá mais consequências para a equipa do piloto madeirense.

Tudo aconteceu ao quilómetro 3 da segunda passagem pela classificativa Cabeço Chão/Alto Barreiro, com o R5 de Bernardo Sousa a embater violentamente nos muros de pedras, projetando pedregulhos para o meio do troço. Pedras essas que viriam a causar o despiste de Luís Rego Jr., que tinha partido dois minutos antes e não foi avisado do sucedido com o piloto madeirense.

Numa declaração publicada ontem (domingo) na sua página oficial no Facebook, Luís Rego Jr. descreve que a zona do despiste era muito rápida e com visibilidade nula, tendo embatido na pedra com o seu Ford Fiesta R5 a 160 km/h. “Nestas condições foi impossível evitar o embate na pedra que se encontrava na trajetória em virtude da saída do Bernardo”, refere.

O piloto da Team Além Mar diz assim que: “Após o embate, notámos que Bernardo Sousa e Valter Cardoso se encontravam fora da sua viatura e a cerca de 50 metros de distância, no sentido do troço e não tiveram qualquer ação de aviso, como mandam os regulamentos, no sentido de evitar o nosso acidente. Pela nossa parte, fizemos o que é correto. Eu fui mandar parar os irmãos Rodrigues e o Jorge foi para junto do Bernardo para acionar os meios de socorro”.

Luís Rego Jr. diz não compreender o porquê de não terem sido avisados, “atendendo à elevada experiência do Bernardo e do Valter”, interrogando-se se não teria havido tempo para que fossem tomadas as ações exigidas. Nestes casos, os regulamentos preveem que os pilotos terão de mostrar o sinal OK ou SOS às três viaturas de prova seguintes.

O piloto de São Miguel termina colocando em causa a sua participação na sétima e derradeira prova do Regional de ralis, o Lotus Rallye, agendado para 9 e 10 de novembro, atendendo aos danos do seu Ford Fiesta R5.

Da parte da Play/AutoAçoreana Racing, o diretor de equipa Gonçalo Mota lamentou o despiste do seu piloto, que causou ferimentos a Bernardo Sousa. “Temos a lamentar o facto de termos prejudicado os nossos adversários, que acabaram por bater na sequência do nosso acidente e portanto foi um duplo prejuízo, não só para nós, como para os nossos adversários. Poderia ter sido mais grave, mas conseguiram evitar o choque com o nosso carro, porém também sofreram danos muito graves na sua viatura”.

De acordo com o que apurou o Açoriano Oriental, Bernardo Sousa terá ficado magoado nas costelas, mazelas que deverão demorar cerca de um mês a curar, pelo que também a sua participação está em risco.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.