Deputado do PND que exibiu bandeira nazi vai deixar parlamento


 

Lusa/AO Online   Nacional   23 de Dez de 2008, 14:30

O deputado único do PND, José Manuel Coelho, que exibiu a bandeira nazi no parlamento madeirense anunciou hoje que vai abandonar as funções parlamentares a partir de 01 de Janeiro.
    “Estou fatigado das grandes lutas que o PND travou nos últimos tempos que causaram um grande desgaste psicológico e emocional, pelo que preciso de mudar”, declarou à agência Lusa.

    José Manuel Coelho acrescentou que partido resolveu dar assim “um presente de Natal aos deputados da maioria do PSD e da restante oposição na Assembleia Legislativa da Madeira”.

    “Vou dar um descanso aos deputados madeirenses que estão ofendidos e fartos de mim porque pensam que vou roubar-lhes votos”, diz.

    O polémico parlamentar madeirense destaca que aquilo que o move “não é a conquista de votos mas a restauração da democracia na Madeira que o PSD depois do 25 de Abril meteu no bolso”.

    Salienta que a sua actuação teve como objectivo incentivar “as pessoas a deixarem de ter medo e a dizerem o que realmente pensam”.

    “Embora saia da Assembleia Legislativa não vou ficar parado, vou é actuar noutra frente porque sou um revolucionário profissional”, noticiou.

    Adiantou que a sua próxima batalha será no concelho de Câmara de Lobos, onde será o cabeça de lista às próximas eleições autárquicas, com o objectivo de “desmistificar o submarino jardinista perigoso para a democracia, que é o deputado do MPT, João Isidoro Gonçalves”.

    “Defendemos uma alternância democrática de poder na Madeira porque temos um governo com 30 anos, como nos países africanos”, aponta.

    “Vou assentar arraiais em Câmara de Lobos para combater esse inimigo infiltrado, a bengala do PSD, que domina metade do PS, partido que conhece muito bem, naquele concelho e como está ressabiado quer fazer tudo para descredibilizar o antigo partido”, destaca.

    José Manuel Coelho acrescenta que outro alvo a combater naquela localidade é os “patos bravos que estão a destruir o património natural, os responsáveis municipais que estão feitos com os empreiteiros que constroem indiscriminadamente, verificando-se uma anarquia completa da paisagem”.

    “Quero desmistificar o deputado João Isidoro, ajudar o PS a ser alternância ao PSD na Madeira e impedir que destruam o concelho de Câmara de Lobos, o que está a acontecer com a conivência do Ministério Público e dos juízes. Dos tribunais não podemos esperar nada e o Ministério Público é outra desgraça que arquiva tudo o que a Polícia Judiciária investiga contra o regime. Então a luta tem de ser política”, argumenta.

    José Manuel Coelho assumiu as funções de deputado no parlamento madeirense em Abril de 2008, substituindo Baltasar Aguiar que suspendeu o mandato por razões profissionais e pessoais e regressa agora à ALM..

    Desde então a sua postura controversa e irreverente tem marcado os trabalhos plenários, começando com o episódio em que colocou um relógio de cozinha ao pescoço, passando pelas acusações directas a alegadas situações de corrupção dirigidas ao líder da bancada parlamentar do PSD, Jaime Ramos, e ao seu “filhote”.

    O mais mediático foi o exibir uma bandeira nazi em protesto pelo “regime fascista e totalitário” do PSD, que gerou polémica porque ilegalmente suspenso pela Mesa da ALM e impedido de entrar nas instalações do parlamento, situação que gerou queixas junto das autoridades judiciais.

    José Manuel Coelho diz que “fez nestes últimos meses um trabalho positivo”, sustentando que “foi uma experiência enriquecedora, mas provocou um grande desgaste porque o inimigo é muito forte, é uma pessoa só contra todas”.

   

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.