Internet

DECO coloca TMN, Meo e Sapo na linha da frente em termos de qualidade


 

Lusa/AOonline   Economia   30 de Out de 2008, 16:28

A Portugal Telecom considera que o estudo da DECO sobre os serviços de acesso à Internet coloca a TMN, o Meo e o Sapo "entre os primeiros em termos de qualidade", defende a operadora num comunicado.
"De acordo com o estudo da DECO [divulgado na quarta-feira] sobre serviços de Internet, a TMN, o Meo e o Sapo ADSL estão entre os primeiros em termos de qualidade do serviço de acesso à Internet em Portugal", refere a empresa.

    Os cerca de 12 mil cibernautas que participaram no estudo promovido pela associação de defesa do consumidor "atribuíram à TMN o primeiro lugar em termos de utilizadores mais satisfeitos", acrescenta a operadora de telecomunicações.

    Segundo a PT, o estudo - baseado em mais de 2 milhões de medições efectuadas nos meses de Maio a Junho -, "revela que a oferta de banda larga móvel a 3,6 Mbps da TMN e a oferta de 8 Mbps associada ao serviço Meo são as que têm melhor apreciação global" nos respectivos escalões de velocidade e tipo de ligação.

    Quanto aos serviços Sapo ADSL, a PT considera que "o Sapo Free teve a melhor apreciação global no escalão de velocidade de até 512 Kbps, ao passo que o Sapo 2 Mbps teve a segunda melhor apreciação global e o serviço Sapo 16 Mbps teve uma apreciação equivalente às ofertas de cabo".

    Este comunicado surge após a publicação da edição de Novembro da revista Proteste, da DECO, publicada na quarta-feira, na qual a associação conclui que "nenhum dos serviços testados cumpre a velocidade anunciada" e que "12 mil utilizadores queixam-se de contratos abusivos", com "Internet lenta e cara".

    A DECO quer ajudar os consumidores a descobrir qual o fornecedor de Internet com preços mais baratos, pelo que até 30 de Novembro os visitantes da página de Internet da Associação poderão aceder a um simulador de custos 'online'.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.