D. Duarte considera ser hora de investir no "povo português"


 

Lusa / AO online   Nacional   30 de Nov de 2008, 21:26

D. Duarte de Bragança considerou hoje ser hora de “investir no povo português, na terra e no território” e que o Estado desista de “obras faraónicas”, na sua tradicional mensagem de 01 de Dezembro.
    Num discurso feito num jantar no Convento do Beato, Lisboa, o Chefe da Casa Real portuguesa anteviu “dias difíceis”, afirmando parecer “evidente” que 2009 será “pior que os já duros anos recentes, particularmente para os mais desfavorecidos”

    O Duque de Bragança argumentou ainda que esta é a melhor altura para rever prioridades, assim como é “hora é de investir no povo português”.

    “O Estado, o sector privado e as associações devem dar as mãos para ultrapassarmos as dificuldades”, disse D. Duarte, sublinhando a importância da qualificação dos jovens e de “dignificação e respeito pela missão dos professores”.

    Sobre o sector agrícola, o responsável saudou os que se “recusam a abandonar a terra, contrariando as directivas desencontradas e a concorrência desleal por parte de outros países onde são muito mais apoiados”.

    “A hora é de investir no território português apoiando empresas inovadoras que recorram a energias alternativas”, disse, defendendo a modernização das barragens hidro-eléctricas.

    “O Estado deve desistir das obras faraónicas, aumentar a produtividade da função pública, encorajar os investimentos privados que produzam riqueza, preferindo sempre bens e serviços produzidos em Portugal”, defendeu.

    Para D. Duarte, o “facto dos fundos da Segurança Social não serem investidos exclusivamente em empresas portuguesas, contribui para a descapitalização nacional e para o desemprego”.

    A 01 de Dezembro de 1640 Portugal restaurou a sua independência em relação à coroa espanhola.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.