Criado "passaporte de sexo seguro" para encontros on-line


 

Lusa / AO online   Internacional   29 de Nov de 2007, 09:15

O crescimento na Internet de sítios de socialização e encontros levou uma sociedade norte-americana a desenvolver o primeiro passaporte "Safe Sex" (sexo seguro), uma garantia de que o internauta não tem uma doença sexualmente transmissível.
"A ideia surgiu porque tínhamos necessidade de ter um meio independente para sabermos o estado de saúde de alguém. Algumas pessoas sabem o que têm mas não o comunicam", afirma Gonzalo Paternoster, criador da Safe Sex Passport BioAnalytics (SSP), baseada na Florida.

No dia 1 de Dezembro, a sociedade vai lançar o passaporte de boa saúde sexual, que pode ser encomendado por qualquer utilizador de sítios de encontros on-line.

Para tal, basta fazer o teste da sida, de herpes, e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Os resultados são divulgados pelo laboratório à SSP, que depois emite um cartão e um número.

"Se se encontrar com alguém na Internet e se lhe der o seu número de 'Passaporte Safe Sex', essa pessoa pode telefonar e os resultados dos seus exames são fornecidos", explicou Paternoster.

"Antes confiávamos nas pessoas. Agora podemos pedir uma prova", conclui.

Cerca de 15.000 pessoas e vários sítios terão já demonstrado interesse neste novo passaporte, segundo Paternoster.

O sistema deverá ser adaptado na Europa e lançado em França e na Grã-Bretanha no primeiro trimestre de 2008.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.