Portos

Crescimento do Porto de Lisboa depende do tráfego fluvial


 

Raquel Rio, Lusa/AOonline   Economia   9 de Out de 2008, 11:41

"O desenvolvimento do tráfego fluvial é determinante para o crescimento do Porto de Lisboa", disse o presidente desta estrutura, acrescentando que esta já a ser estudada esta utilização, a partir das novas plataformas logísticas.
"O maior problema do Porto de Lisboa não é de capacidade, e sim de acessibilidades" afirmou Manuel Frasquilho, à margem de um seminário sobre regiões marítimas inovadoras que decorreu em Bruxelas, no âmbito da Semana Europeia das Cidades e das Regiões (Open Days).

    "Estamos a fazer um estudo para passar a usar o tráfego fluvial no transporte de contentores, utilizando as duas plataformas logísticas que estão a ser construídas em Castanheira do Ribatejo e no Poceirão", adiantou o mesmo responsável, sublinhando que este meio de transporte, a par da ferrovia, é imprescindível, "sob pena de se inundar Lisboa de camiões".

    Entretanto, o Porto de Lisboa está também a aumentar a sua capacidade.

    "Tinhamos muitas solicitações nesse sentido. O terminal tinha capacidade para 350 mil contentores e precisávamos de a aumentar para um milhão. Essa obra deve estar concluída em 2013 e vai triplicar a capacidade existente", salientou o presidente do Porto de Lisboa.

    Este desenvolvimento já permitiu ao Porto de Lisboa começar a receber navios de grande porte, tendo sido iniciada no mês passado uma carreira semanal regular entre Lisboa e Xangai.

    A programação das obras está a ser concluída e o acordo da nova concessão com a Liscont (operador de contentores) vai ser assinado este mês.

    Em Novembro, Manuel Frasquilho espera lançar um concurso para a construção de uma nova sede para ao Porto de Lisboa, junto ao centro de controlo de tráfego marítimo (VTS) em Algés, onde serão concentrados todos os serviços.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.