Consumo de drogas em viaturas abandonadas nas Laranjeiras

Carregando o video...

 

Luís Pedro Silva   Regional   15 de Mai de 2009, 08:30

Moradores do Bairro das Laranjeiras denunciam o consumo de drogas em viaturas abandonadas que ainda não foram removidas. No local, existem diversas seringas espalhadas no chão, perto de uma creche. (COM VÍDEO)

Os moradores do Bairro da Laranjeiras, na freguesia de São Pedro, denunciam a existência de quatro viaturas abandonadas no centro do bairro, que alegadamente estão a ser utilizadas para os toxicodependentes se injectarem, segundo relatam moradores da Rua Capitão Pato, contactados pelo Açoriano Oriental.

Segundo alguns moradores "as pessoas que consomem droga naquele local não são residentes no bairro, apenas se deslocam às Laranjeiras para comprar droga" e, segundo explicam, injectam-se sem nenhum complexo na via pública.

"Quem passar na rua pode ver eles a fazerem tudo e mais alguma coisa. Até pode aprender", ironiza um residente no bairro das Laranjeiras.

A situação é agravada pela proximidade das viaturas a uma creche e áreas residenciais. Aliás, a cerca de trinta metros da creche, existe um local com dezenas de seringas espalhadas no chão.

Os habitantes do bairro das Laranjeiras solicitam uma intervenção urgente das autoridades para a remoção das viaturas, que estão com seguro e inspecção caducados. "Diversos moradores já informaram a polícia, mas não existe nada que faça retirar as viaturas do local", afirma um residente, sob anonimato.

Uma das viaturas, inclusivamente, já foi incendiada por desconhecidos, tendo estado presentes no local os bombeiros e a PSP, mas mesmo queimada, a viatura permanece no mesmo local.

Pelo facto dos veículos estarem abandonados são furtados diversos equipamentos das viaturas, destacando-se o furto de pneus e assentos.

Os moradores admitem que "não conseguem colocar qualquer tipo de respeito ou ordem na zona", solicitando o reforço da presença policial naquele local.

"A partir das 19h/19h30 começa a aparecer aqui um movimento de pessoas e consegue-se ver tudo. Existem dias mais sossegados e outros onde existe um movimento fora do normal", explicou um morador.

Os habitantes do bairro acrescentam ainda que há "muito barulho" durante as noites dos fins-de-semana. "As autoridades demoram algum tempo a chegar ao local e, quando chegam, as pessoas já saíram do local", conta a mesma fonte. Os problemas com a criminalidade não se limitam à venda e consumo de estupefacientes, havendo relato de situações de diversos assaltos em viaturas de moradores.

"Tenho a viatura todos os dias à porta de casa e nunca me aconteceu nada, mas as pessoas nunca se podem esquecer de nada dentro dos carros", alerta.*

*Leia a reportagem completa na edição impressa do Açoriano Oriental de 15 de Maio de 2009.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.