Sociedade

Construção de bairros "tipo guetos" potencia conflitos sociais


 

Lusa/AO online   Nacional   18 de Ago de 2008, 15:23

O presidente do Observatório de Segurança considerou esta segunda-feira que a criação de bairros que funcionam como guetos é um dos factores que está na base do aumento dos conflitos sociais.
    O responsável do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, Garcia Leandro, falava à agência Lusa a propósito do tiroteio que ocorreu domingo na Quinta do Mocho, em Loures, que causou um morto e cinco feridos, alegadamente devido a uma luta entre gangues.

    Garcia Leandro disse que a construção típica de bairros que funcionam como guetos é um factor de desintegração social e, consequentemente, que faz aumentar os conflitos sociais.

    Garcia Leandro defende ainda que a diminuição dos conflitos sociais não passa pelo aumento pelas formas de segurança.

    "Os conflitos sociais devem-se, sobretudo, ao baixo nível cultural, de educação, aos elevados níveis de desemprego, aos problemas de inclusão, à grande comunidade imigrante proveniente dos PALOP, à imigração nacional que sai dos campos para as cidades e à imigração de Leste", disse, sublinhando que "se juntarmos todos estes factores teremos uma equação explosiva".

    Para Garcia Leandro, a integração da população, tanto das minorias como das maiorias, não passa pela criação de bairros específicos que funcionam como guetos "onde nada se passa e onde quem lá está não está senão dedicar-se ao ócio ou ao crime".

    O presidente do Observatório de Segurança defende assim que a prevenção dos conflitos sociais para as gerações futuras passa pelo aumento da taxa de emprego e pelo ordenamento territorial.

    Defende ainda tratar-se de uma tarefa que cabe às organizações sociais, aos partidos políticos e ao governo, sob pena de se estar a "hipotecar o futuro".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.