Venezuela

Confiscadas duas toneladas de arroz a supermercado de portugueses


 

Lusa / AO Online   Economia   19 de Ago de 2008, 06:36

Funcionários venezuelanos confiscaram, segunda-feira, duas toneladas de arroz da rede de supermercados Excelsior Gama, propriedade de portugueses, por alegadamente o produto estar a ser comercializado a um preço superior ao autorizado.
    Contudo, representantes dos empresários dizem que a medida do Instituto para a Defesa das Pessoas no Acesso a Bens e Serviços (INDEPABIS) é injusta.

    A confiscação, que teve lugar em Caracas, foi supervisionada por Eduardo Saman, presidente de INDEPABIS, que explicou aos jornalistas que se tratava de “uma medida de pressão” para que “os produtores e distribuidores vendam o arroz ao preço estipulado” de 2,3 BsF (bolívares fortes, 0,73 euros) cada quilograma, por ter um por cento de grãos partidos.

    Frisou ainda que o arroz confiscado seria colocado no exterior do estabelecimento comercial onde seria vendido, revertendo o dinheiro obtido para os conselhos comunais (antigas associações de vizinhos) da localidade.

    O confiscação, segundo José Vicente Urdaneta, representante legal dos supermercados Excelsior Gama, é “injusto” porque o tipo de arroz em questão está fora da tabela de preços estipulados pelo governo.

    “Comparámos o arroz e é cem por cento de grãos inteiros”, adiantou a mesma fonte, acrescentando que a empresa vai recorrer para tribunal para impugnar a decisão do INDEPABIS e obter do Estado um indemnização pela confiscação.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.