Claque "Red Boys On Fire" pretende legalizar-se

Claque "Red Boys On Fire" pretende legalizar-se

 

Arthur Melo   Futebol   22 de Out de 2009, 11:57

A claque que apoia os jogos que o Santa Clara efectua no Estádio de São Miguel, a Red Boys On Fire, pretende avançar, a breve trecho, para a sua legalização como grupo organizado de apoio a um clube.
A revelação foi feita pelo líder do grupo em declarações ao “Açoriano Oriental”.

Carlos Lima manifestou a intenção no sentido, não só, de o grupo poder ser reconhecido pelas entidades oficiais mas também para que deixem de olhar para a claque com suspeita. Além disso, sublinhou, tal situação permitira ao grupo poder ser apoiado pelo clube que apoia, no caso concreto, o Santa Clara.

Depois do incidente de domingo passado, quando a claque abandonou o Estádio no início da partida frente ao Marítimo devido à não autorização, por parte da PSP, de material que possibilitasse a claque efectuar coreografias com fumos, o líder da claque reuniu-se com a direcção encarnada, tendo-se chegado a um consenso quanto ao sucedido.

Mário Batista afirma que tudo não passou de uma tempestade num copo de água, salientando que há regras que têm de ser cumpridas.

O presidente-adjunto dos encarnados informou ainda que esta quinta-feira os elementos da claque vão apresentar na PSP a máquina de fumos que pretendem levar sábado para o Estádio, cumprindo-se assim um requisito essencial para que nada de anormal aconteça na entrada da claque no recinto de jogo.

Formada em 1999, a Red Boys On Fire esteve activa até 2001, reaparecendo em 2008. Carlos Lima sublinha as dificuldades que o grupo enfrenta na angariação de apoios, no sentido de suportar a actividade de apoio à equipa de futebol profissional do Santa Clara.

Mário Batista reafirma que o clube tem apoiado dentro das suas possibilidades, incentivando mesmo que o grupo se legalize porque, reconhece, o apoio prestado tem sido importante e fundamental.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.