Desemprego

CGTP exige avaliação do novo regime de subsídio de desemprego


 

Lusa / AO online   Economia   19 de Nov de 2007, 16:26

A CGTP exigiu uma avaliação ao novo Regime de Protecção no Desemprego, 11 meses após a sua entrada em vigor, com vista a correcção de algumas medidas relacionadas com a procura e oferta de emprego.
Numa nota de imprensa, divulgada após a reunião da comissão executiva da CGTP, a central sindical defende que é “altura de se fazer uma avaliação da aplicação do Regime de Protecção no Desemprego, no que se prende com a procura e oferta” e aponta algumas medidas que merecem ser corrigidas.
A nova lei do subsídio de desemprego, que entrou em vigor em Janeiro deste ano, obriga à procura activa de emprego pelos próprios meios por parte dos beneficiários de prestações de desemprego.
No entanto, a CGTP alerta que esta obrigatoriedade “revela-se excessivamente onerosa para os desempregados, na medida em que as empresas se recusam a recebê-los e afirmam não ter qualquer obrigação de comprovar os contactos estabelecidos”.
A central sindical chama assim a atenção para a necessidade de os centros de emprego terem em conta que, de facto, as entidades empregadoras contactadas não estão obrigadas a prestar qualquer declaração comprovativa do contacto efectuado.
A CGTP volta a reafirmar a necessidade de os serviços públicos de emprego, e em particular os centros de emprego, passarem por um processo de reestruturação e reorganização, a fim de darem resposta ao novo papel que, de acordo com a lei, devem assumir junto dos desempregados.
Proporcionar um acompanhamento personalizado (designadamente através dos Planos Pessoas de Emprego) e colocar ao dispor dos beneficiários os meios e instrumentos necessários à procura activa de emprego, à promoção da sua empregabilidade e à sua inserção rápida no mercado de trabalho são algumas das atribuições necessárias.
Para melhor poder avaliar o que tem sido feito neste domínio, a CGTP-IN solicita alguns dados como, por exemplo, a elaboração dos Planos Pessoais de Emprego e a activação dos beneficiários de prestações de desemprego, incluindo acções de formação profissional, colocações conseguidas, colocações recusadas e respectiva fundamentação.
Quanto ao acompanhamento dos trabalhadores após colocação, a CGTP defende que o papel dos centros de emprego não deve esgotar-se com a inserção do trabalhador no mercado de trabalho, devendo prolongar-se de modo a verificar se a empresa cumpre as condições estabelecidas e se o trabalhador está adaptado e, por outro lado, para avaliar a qualidade e estabilidade do emprego.
Em relação à cessação de contratos de trabalho por acordo, a CGTP refere que tem sido alertada para o facto de os limites fixados na lei relativo às cessações de contratos de trabalho por acordo não estarem a ser respeitados por algumas empresas, bem como para existência de situações em que as empresas recorrerão a subterfúgios para contornar as disposições legais respectivas.
Neste sentido, a CGTP quer saber qual é a entidade que está avaliar, comprovar e controlar estas situações.
As preocupações da CGTP surgem depois do Instituto Nacional de Estatística ter revelado que a taxa de desemprego estabilizou no terceiro trimestre do ano, em termos trimestrais, nos 7,9 por cento.
No entanto, a taxa de desemprego aumentou 0,5 pontos percentuais quando comparada com o mesmo período do ano passado.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.