Saúde

Cerca de 110 mil portugueses sofrem de Alzheimer

Cerca de 110 mil portugueses sofrem de Alzheimer

 

Lusa/AO online   Nacional   20 de Set de 2011, 11:05

O presidente da associação Alzheimer Portugal/Norte apontou a urgência na criação e desenvolvimento de um plano nacional para as demências, que afectam mais de 150 mil portugueses, dos quais cerca de 110 mil sofrem da doença de Alzheimer.
Na véspera do Dia Mundial da Pessoa com Doença de Alzheimer, que se assinala na quarta-feira, António Proença disse à Lusa que “tem havido reuniões com grupos parlamentares e já existe um comprometimento político para se avançar com a criação deste plano, à semelhança do que já acontece em Espanha e noutros países europeus”.

Um dos grandes objectivos é que o Alzheimer seja considerado doença crónica, no sentido de se obterem “os apoios dignos para dar qualidade de vida às pessoas com uma doença que é terminal”.

“Existe já um documento escrito, mas até à data nada foi feito”, lamentou António Proença, referindo que está também em causa o apoio às famílias e a necessidade de criar locais de qualidade onde se possa institucionalizar o doente.

Actualmente, segundo o mesmo responsável, as instituições capazes de acolher doentes com Alzheimer são “escassas ou praticamente nenhumas”.

“Alzheimer: Os desafios da doença” é o tema que António Proença irá abordar na quarta-feira no IV Congresso Nacional Envelhecimento Cerebral e Doença de Alzheimer, que decorrerá no Auditório do Ateneu Comercial do Porto.

O programa inclui também a análise da “Estimulação multissensorial e motora na demência”, “Doença de Alzheimer: Cuidar e acompanhar os doentes e família” e “Relação entre depressão e demência de Alzheimer”, entre outros.

A doença de Alzheimer é um tipo de demência que provoca uma deterioração global, progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas (memória, atenção, concentração, linguagem, pensamento, entre outras).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.