CDS chama presidente do ACP ao Parlamento


 

Lusa/AOonline   Economia   7 de Out de 2008, 12:36

O CDS-PP vai chamar ao Parlamento o presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP), Carlos Barbosa, um dia depois de o clube ter apresentado um estudo que sugere indícios "claros" de concertação no mercado dos combustíveis.
"Nós fazemos este pedido porque temos [CDS-PP] desde há muito tempo revelado no nosso discurso preocupação com o preço da gasolina em Portugal, que se mantém sempre em níveis muito elevados", afirmou à agência Lusa o líder da bancada parlamentar do CDS, Diogo Feio.

    O ACP apresentou segunda-feira um estudo sobre a "Concertação e deficit de concorrência no mercado de combustíveis" que questiona o relatório apresentado em Junho pela Autoridade da Concorrência (AdC) e defende a necessidade de intervenções "fracturantes" no sector.

    "Tudo sugere a concertação ao nível das petrolíferas, mas também ao nível das bombas de gasolina. Este indícios devem ser analisados pela Comissão Europeia", defendeu o presidente do ACP, Carlos Barbosa.

    "Para o CDS há dois problemas claros, o primeiro é o funcionamento do mercado e a questão da concorrência e o segundo a política de impostos do governo relativamente à gasolina, portanto tudo o que sejam estudos sobre esta matéria deve ser alvo de discussão no Parlamento", acrescentou o deputado democrata-cristão.

    Na apresentação do estudo do ACP, Carlos Barbosa defendeu que a liberalização do mercado dos combustíveis, ocorrida em 2004, não está a produzir "qualquer benefício para os consumidores" e por isso o Governo deverá repensar o modelo de funcionamento do sector para monitorizar devidamente o mercado ou voltar a regulamentá-lo.

    Para aumentar a concorrência no sector, o ACP sugere a separação das actividades da produção e importação, da armazenagem, do transporte e da distribuição no mercado dos combustíveis.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.