Ambiente

Buraco de ozono na Antártida "encolhe" para tamanho mais pequeno em 25 anos

Buraco de ozono na Antártida "encolhe" para tamanho mais pequeno em 25 anos

 

Lusa/AO online   Internacional   25 de Out de 2012, 09:43

O buraco da camada de ozono na Antártida "encolheu" para ao seu tamanho mais pequeno em 25 anos, indicou esta sexta-feira a Agência Meteorológica do Japão, advertindo, porém, que tal não significa necessariamente que a camada se esteja a recuperar.

Dados de cientistas japoneses, difundidos pela televisão pública NHK, indicam que o buraco de ozono atingiu um tamanho de 20,8 milhões de quilómetros quadrados, a 22 de setembro, o máximo desde o início do ano.

A área representa 1,5 vezes a superfície do continente branco, mas é, ao mesmo tempo, a mais pequena registada desde 1987, altura em que foi assinado o Protocolo de Montreal para preservar a camada de ozono.

A possibilidade do buraco de ozono não ter aumentado de tamanho este ano é equacionada pela Agência Meteorológica do Japão, dado que as temperaturas na região se mantiveram relativamente altas tanto em julho como em agosto, refere a agência noticiosa espanhola Efe.

O Japão começou observar a Antártida em 1957 e envia, anualmente, desde então peritos da Agência Meteorológica para o local, com vista a acompanhar a evolução da camada de ozono e a radiação solar na estação de Syowa.

Os dados compilados por esta base levaram à descoberta do buraco da camada de ozono sobre a Antártida, desempenhando ainda um importante papel no controlo do clima global, segundo a Agência.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.