Açoriano Oriental
Covid-19
Bruxelas vai encomendar 300 milhões de doses de vacina da Pfizer para UE

A Comissão Europeia saudou as “grandes notícias” sobre a eficácia de 90% de uma potencial da vacina para a covid-19 das farmacêuticas Pfizer e BioNTech, anunciando que irá “em breve” formalizar a aquisição de 300 milhões de doses.

Bruxelas vai encomendar 300 milhões de doses de vacina da Pfizer para UE

Autor: Lusa/AO Online

“Grandes notícias da Pfizer e do grupo BioNTech sobre os resultados bem-sucedidos do seu último ensaio clínico para uma vacina para a covid-19”, reagiu a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na sua conta na rede social Twitter.

Na mesma publicação, a líder do executivo comunitário anunciou que “a Comissão Europeia vai assinar um contrato com eles em breve para um máximo de 300 milhões de doses”, somando-se esta promessa de aquisição a outras três já firmadas para a disponibilização de vacinas para a União Europeia.

Até ao momento, a Comissão Europeia já assinou contratos com três farmacêuticas para assegurar vacinas para a Europa quando estas se revelarem eficazes e seguras: a AstraZeneca (300 milhões de doses), a Sanofi-GSK (300 milhões) e a Johnson & Johnson (200 milhões).

Nesta publicação feita no Twitter, Ursula von der Leyen fez ainda menção ao envolvimento do grupo alemão BioNTech nesta investigação da vacina com a farmacêutica norte-americana Pfizer, comentando que “a ciência europeia funciona”.

A líder do executivo comunitário pediu, ainda, aos cidadãos europeus que continuem “a proteger-se uns aos outros entretanto”, enquanto não chega uma vacina para a covid-19.

A empresa farmacêutica norte-americana Pfizer revelou hoje que dados provisórios sobre a vacina contra o novo coronavírus indicam que pode ser eficaz em 90% dos casos e que este mês pedirá o uso em situações de emergência nos Estados Unidos.

O anúncio de hoje não significa, contudo, que uma vacina está iminente. A análise provisória, de um conselho independente de monitorização dos dados, verificou 94 infeções registadas até agora num estudo que envolveu quase 44.000 pessoas nos EUA e em cinco outros países.

A Pfizer não forneceu mais detalhes sobre estes casos e alertou que a taxa de proteção inicial pode mudar até o final do estudo.

"Estamos numa posição potencialmente capaz de oferecer alguma esperança", disse Bill Gruber, vice-presidente de desenvolvimento clínico da Pfizer.

As autoridades enfatizaram que é improvável que qualquer vacina chegue antes do final do ano e que, quando chegar, os fornecimentos iniciais serão racionados.

A vacina que está a ser desenvolvida pela Pfizer e pela sua parceira alemã BioNTech está entre 10 possíveis vacinas candidatas em fase final de testes em todo o mundo, quatro delas até agora em grandes estudos nos Estados Unidos.

Como a pandemia ainda está em alta, os fabricantes esperam obter permissão de governos de todo o mundo para o uso de emergência das suas vacinas enquanto os testes adicionais continuam, permitindo que cheguem ao mercado mais rápido do que o normal, mas levantando preocupações sobre o quanto os cientistas saberão sobre as vacinas.

A Pfizer e a BioNTech continuam a acumular dados sobre a segurança e a eficácia da vacina que desenvolveram a esperam produzir 50 milhões de doses este ano e 1.300 milhões em 2021.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.