BE reclama apoios eficazes para agricultores e sistema público de seguros

BE reclama apoios eficazes para agricultores e sistema público de seguros

 

Lusa/Ao online   Nacional   4 de Nov de 2018, 21:18

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, defendeu este domingo, no distrito de Coimbra, apoios efetivos e claros para os agricultores afetados pela tempestade Leslie e um sistema público de seguros.

"Precisamos de apoios efetivos, que cheguem a toda a gente, de serviços de proximidade do ministério da agricultura, de apoiar o acesso a linhas de financiamento e ter um sistema público de seguros que chegue efetivamente aos agricultores", disse a dirigente bloquista.

Catarina Martins falava aos jornalistas em Reveles, no concelho de Montemor-o-Velho, depois de contactar com agricultores afetados pela tempestade do dia 13 de outubro, que perderam parte da produção de milho.

A líder do BE apelou a que os apoios do Estado "sejam eficazes e possam responder a quem perdeu as colheitas e que não sejam excessivamente burocratizados, apoiando-se as pessoas nas candidaturas".

Apelou ainda à presença de técnicos do Ministério da Agricultura no terreno, "tanto a ajudar a prevenir estas situações de calamidade como depois a apoiá-los quando acontecem".

"Precisamos de ter técnicos em todo o território, que façam serviço de proximidade na agricultura", sublinhou.

A coordenador do BE anunciou ainda uma proposta, que apresentou para o Orçamento de Estado de 2019, para que os agricultores afetados tenham acesso a linhas de financiamento bonificadas, "ou pelo menos com alguma participação pública para garantir que o excesso de juros não impossibilite o apoio".

"A desgraça dos agricultores não pode ser uma fonte de rendimento para o sistema financeiro, que depois até acaba por ter condições que impede o acesso dos agricultores a esse financiamento de que precisam", enfatizou.

A dirigente bloquista considerou ainda que é necessário alterar os seguros para a agricultura, para que o seu controlo esteja na esfera pública.

"Há uma parte de financiamento público aos seguros, mas são as seguradoras que controlam, o que quer dizer que tantos os prémios como as coberturas estão nas mãos dos privados", referiu.

Segundo Catarina Martins, o que o país necessita "é de um serviço de seguros agrícolas que tenha controlo público, para permitir definir os prémios e as coberturas e para garantir que o financiamento público que vai para as seguradoras serve efetivamente a agricultura e não para financiar mais o setor financeiro e das seguradoras".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.