Bastonário dos psicólogos reeleito, lista adversária queixa-se de "ilegalidade"


 

Lusa/AO online   Nacional   21 de Out de 2013, 15:13

A Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) reelegeu o anterior bastonário, mas a lista adversária queixa-se de ilegalidade, afirmando que mais de mil eleitores foram impedidos de participar nas eleições por não terem recebido os boletins de voto.

A lista B – Psicologia Plural, liderada por Rui Abrunhosa Gonçalves, queixa-se de a Ordem ter publicado no site os resultados provisórios da votação de 18 de outubro, mas assumindo-os como finais, através do título “Telmo Mourinho Baptista reeleito Bastonário”.

No entanto, esta lista lembra que decorre ainda o prazo prevista para reclamações e afirma que um número muito elevado de psicólogos se sente discriminado e revoltado por não ter recebido boletins de voto e assim ter sido impedido de votar”.

Em declarações à Lusa, Pedro Teixeira, da lista B, explicou que 1.153 psicólogos (9% do universo de eleitores) não votaram, porque os envelopes que lhes foram enviados foram devolvidos à sede da Ordem, por terem a morada incorreta.

Mas para este responsável, o caso pode ainda ser mais grave e o número de pessoas que nunca recebeu os envelopes pode ser muito superior, já que num universo total de 12.500 eleitores, apenas votaram 3.900, o que é “um número muito reduzido”.

Pedro Teixeira conta que desde o dia 16, “muito antes do ato eleitoral”, assim que se soube dos envelopes, foi requerido à Ordem que tomasse medidas para saber quem eram essas pessoas e por que razão as moradas estavam incorretas.

“A solução que apresentaram foi a de reenviar os envelopes no dia 16 à noite, quando os votos teriam que entrar no dia seguinte até às 17:00”, afirmou, considerando tal hipótese inaceitável.

Face às comunicações feitas pela lista B à mesa eleitoral da Ordem, “nada foi dito e nada mais terá sido feito”, disse Pedro Teixeira, defendendo que “deveria ter sido criado um regime de exceção” para todos os prejudicados.

Apesar de não ter dúvidas de que estas eleições estão “feridas de ilegalidade”, a lista B recusa para já avançar para um cenário de impugnação de eleições, porque “acredita que há responsabilidades e que se vai agir em conformidade”.

“Acreditamos que vai imperar o bom senso e não se vai ignorar que pelo menos 9% dos eleitores não votaram. Achamos que se não for feito algo, a validade deste ato eleitoral está posta em causa”, afirmou Pedro Teixeira, acrescentando contudo que “é cedo para essa hipótese [impugnação] estar em cima da mesa”.

O responsável considera que para já cabe à lista B alertar para a dimensão do problema e que “mais adiante, logo se verá”.

Na página da OPP pode ler-se que “Telmo Mourinho Baptista, da Lista A “Afirmar os Psicólogos”, foi reeleito Bastonário na sequência das eleições para os Órgãos Sociais da Ordem dos Psicólogos Portugueses. A Lista A obteve 1.939 votos em 3.832 boletins contabilizados para a Direção Nacional, tendo conquistado ainda as Delegações Regionais do Centro, Sul, Madeira e Açores”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.