Basílio Horta deixa a vida política


 

Lusa / AO online   Economia   1 de Out de 2007, 10:15

Basílio Horta afirma que está fora da vida política e que o seu objectivo, agora, é deixar uma “modestíssima marca” na economia portuguesa, através da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, a que preside.
Em entrevista ao programa “Primeiro Plano”, do Porto Canal, que foi domingo transmitida, Basílio Horta garante que não volta à política e que não acompanha, sequer, a vida do CDS-PP.

“Há um tempo para tudo e o meu tempo na vida partidária acabou quando fui para embaixador na OCDE”, afirmou, acrescentando que não acompanha a vida do CDS-PP.

“O CDS que fundei é muito diferente do actual PP”, justifica.

Por isso, diz que o seu objectivo actual é deixar uma marca modesta na economia, através do seu trabalho na AICEP, que considera ser a sua última actividade pública.

"O meu objectivo é deixar uma modestíssima marca na economia portuguesa e quando eu sair que se diga que este ou aquele investimento, como o da Repsol ou da Pescanova, chegou através da minha equipa", afirma.

Na entrevista ao Porto Canal, Basílio diz que são exageradas as preocupações com as consequências das deslocalizações e que, entre o investimento que saiu e aquele que entrou, Portugal saiu a ganhar.

“À excepção da Autoeuropa, as empresas que saíram nos últimos dois anos de Portugal eram de mão-de-obra intensiva e foram para mercados menos avançados, especialmente asiáticos”, explica, acrescentando que, “se fizermos um balanço entre o investimento que saiu do País e o que entrou, o saldo é largamente positivo para o nosso lado, em tecnologia e em volume de investimento”.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.