Banco Alimentar Contra a Fome inicia esta sexta-feira campanha "online" de recolha de alimentos

Banco Alimentar Contra a Fome inicia esta sexta-feira campanha "online" de recolha de alimentos

 

Lusa/AO Online   Nacional   22 de Nov de 2013, 08:20

O Banco Alimentar contra a Fome inicia esta sexta-feira mais uma campanha "online", de recolha de alimentos, numa altura em que aumentam os pedidos de ajuda e diminuem os produtos doados, disse à Lusa a presidente da instituição, Isabel Jonet.

 

Esta é primeira das três campanhas que o Banco Alimentar contra a Fome vai realizar até ao final do ano, e estende-se até ao dia 08 de dezembro.

Na última campanha, que decorreu em maio, o portal de doações www.alimentestaideia.net recolheu quase 90 toneladas de alimentos, num valor global de cerca de 117 mil euros, tendo sido a média de doação de 36,54 euros.

A presidente da Federação Portuguesa dos Banco Alimentares explicou que as pessoas podem fazer o seu donativo através da compra de alimentos básicos que estão disponíveis no site (leite, atum, salsichas, açúcar, óleo e azeite).

“As pessoas podem escolher o Banco Alimentar da sua região e recebem logo no seu e-mail um recibo que permite descontar nos seus impostos o donativo efetuado”, adiantou Isabel Jonet.

Segundo a responsável, o portal tem vindo a registar “um número crescente de dadores”, embora na campanha de Natal de 2012 tenho tido visitas de pessoas de mais países do que em maio, mas o número de dadores foi “sensivelmente igual”, cerca de 3.200.

Isabel Jonet adiantou que a campanha se realiza numa altura em que o Banco Alimentar Contra a Fome tem “mais pedidos [de ajuda] e menos produtos”.

“Temos um crescimento do número de pedidos diretos, mas temos também um grande crescimento dos pedidos por parte das instituições, que nos pedem o reforço do cabaz mensal que lhes é entregue, porque têm mais dificuldades”, explicou.

Por outro lado, adiantou, os bancos alimentares tiveram “muito menos doações da indústria agroalimentar, que redimensionou a sua produção devido à quebra do consumo em Portugal".

“O que temos de fazer, porque temos mais pedidos e menos produtos, é de ser mais inventivos e, por isso, lançámos a campanha ‘Papel por alimentos’, para poder completar os cabazes, mas também temos de tentar sensibilizar mais pessoas para serem mais solidárias com as pessoas da sua região”, disse Isabel Jonet.

O Banco Alimentar realiza, duas vezes por ano, três campanhas: a campanha online, a tradicional recolha de alimentos nos supermercados e a campanha “Ajuda vale”, em que as pessoas podem comprar, na caixa dos supermercados, vales de seis produtos selecionados.

A “Campanha saco” e a “Campanha ajuda vale” vão decorrer entre 30 de novembro e 08 de dezembro.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.