Auditoria ao Coliseu afasta fraude ou erro

Auditoria ao Coliseu afasta fraude ou erro

 

Paulo Faustino/AO Online   Regional   18 de Out de 2018, 09:19

O relatório de auditoria financeira e funcional ao Coliseu Micaelense, já entregue ao município de Ponta Delgada, aponta para a inexistência de qualquer infração legal ou fiscal nas contas daquela sociedade anónima.

A confirmação foi ontem (quarta-feira) avançada pelo conselho de administração (CA) da Coliseu Micaelense em comunicado.


“O documento indica que a rubrica de Rendimento associado à prestação de serviços, no ano económico de 2017 e no 1.º trimestre de 2018, está isenta de distorções materiais devido a fraude ou erro”, pode ler-se no mesmo comunicado.


Recorde-se que a referida auditoria resultou de uma proposta apresentada pela vereação do PS na sequência de uma fatura não correspondente ao título adquirido na bilheteira.


Segundo o relatório, e de acordo com a mesma fonte, “a distorção identificada, ou seja, a emissão de uma fatura/recibo não coincidente com o bilhete emitido, pode ser considerada uma ocorrência isolada e não foi determinada por uma falha no controlo interno”.


Tal significa, para o CA, “não haver problemas de legalidade ou fraude”, algo atestado pelo relatório quando refere que a situação detetada “não revela a prática de um ato fraudulento, pois não foi cometido com conhecimento e intencionalidade”.


A administração não tem dúvidas que o relatório “independente” é “conclusivo” e “taxativo”, evidenciando que “está tudo conforme a lei e as boas práticas de gestão e contabilidade”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.