Ataques de macacos na Índia já causaram um morto e dezenas de feridos


 

Lusa/AO   Internacional   15 de Nov de 2007, 05:15

A capital da Índia tem sido atacada, desde Outubro, por macacos agressivos, que já causaram a morte do vice-presidente do Município da cidade e dezenas de feridos, sem que a autarquia consiga combater a investida dos primatas.
Os últimos ataques em Nova Deli remontam a segunda-feira, dia em que seis moradores de um bairro desfavorecido foram mordidos.

    No fim-de-semana, uma mulher ficou gravemente ferida e duas dezenas de pessoas tiveram de receber tratamento devido às mordeduras dos símios.

    Em finais de Outubro, o vice-presidente do Município de Nova Deli, Sawinder Singh Bajwa, de 52 anos, morreu ao cair do terraço da sua casa quando tentava fugir de quatro macacos.

    De acordo com o comissário-adjunto da polícia da cidade, Jaspal Singh, os ataques são causados por três a quatro macacos particularmente agressivos.

    "Especialistas da fauna selvagem tentam encontrá-los porque, enquanto polícias, não somos verdadeiramente exímios para ocuparmo-nos de macacos. Podemos gerir casos de touros que se tornam loucos mas macacos... é um pouco mais difícil", explicou o responsável, em declarações à agência noticiosa francesa AFP.

    Nas ruas de Nova Deli passeiam-se em liberdade, há várias décadas, entre 10 e 20 mil macacos selvagens, a par de 35 mil vacas e búfalos e milhares de cães vadios.

    Os símios invadem regularmente os ministérios, os tribunais, as esquadras de polícia ou os hospitais, semeando, por vezes, o pânico nas zonas residenciais, onde procuram comida.

    Matar macacos é proibido para os hindus, que veneram Hanuman, um deus-macaco que simboliza a força.

    O presidente da Câmara de Nova Deli, Aarti Mehra, já reconheceu que o Município "não tem a experiência nem as infra-estruturas" para capturar e domesticar os primatas.

    Moradores da cidade pedem, no entanto, há seis anos, em tribunal, uma Nova Deli "sem macacos".

    Os estados vizinhos da capital indiana recusam, em contrapartida, acolher os macacos nas suas florestas alegando que vão destruir as colheitas agrícolas.

    Para o director da associação SOS Fauna Selvagem, Kartick Satyanarayanan, a agressividade dos símios em Nova Deli deve-se à urbanização rápida da cidade e à destruição dos seus "habitats" naturais.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.