Eleições

Assunção Cristas diz ter “vacina contra sondagens”

Assunção Cristas diz ter “vacina contra sondagens”

 

AO Online/ Lusa   Nacional   31 de Ago de 2019, 19:53

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse este sábado na Madeira, onde decorreu o comício de reentrada, que o partido tem uma "vacina contra sondagens" e vincou que está a trabalhar para criar uma "alternativa de centro-direita" para o país.

"Temos uma vacina de iniciação no CDS, que é uma vacina contra sondagens", afirmou, num comentário à sondagem da TSF/JN, divulgada hoje, que coloca o partido com 4,5% das intenções de voto e que, no geral, afasta a possibilidade de a direita formar maioria.

"Estamos a trabalhar acreditando que há muita gente que pensa que faz sentido votar no CDS, porque faz sentido dar força a uma alternativa para o nosso país de centro-direita, que tenha arrojo, que esteja centrada nas pessoas", declarou.

O comício de reentrada política do CDS-PP decorreu na freguesia da Fajã de Ovelha, concelho da Calheta, zona oeste da Madeira, e contou com a participação várias centenas de militantes e simpatizantes.

Assunção Cristas salientou que as prioridades do partido são "libertar" as famílias e as empresas da "maior carga fiscal de sempre" e proporcionar um sistema de saúde de qualidade para todos, bem como estabelecer licenças de parentalidade de um ano e uma rede de cuidadores para os mais idosos.

O objetivo é, disse, fazer com que o país progrida e chegue a "crescimentos a sério", sem pôr em causa as contas públicas.

"Nós sabemos que isto tem efeito benéfico e baixámos o IRS à conta do excedente orçamental que foi ganho pelo esforço de todos os portugueses", afirmou.

A líder centrista propõe também um "território coeso" e promete defender uma "verdadeira continuidade territorial e uma verdadeira coesão social", com "soluções diferentes" para os "territórios mais difíceis", nomeadamente as regiões autónomas e o interior do continente.

Por outro lado, Assunção Crista considerou que é "extraordinariamente importante" para o país, desenvolver um "verdadeiro e efetivo" combate à corrupção.

"Combate à corrupção que outros têm medo, mas nós não temos medo, pelo contrário sabemos que um Estado e uma democracia que se dá ao respeito é aquela que aceita que não pode ter corrupção", disse, sublinhando a necessidade de ter "meios com consistência" ao serviço da Polícia Judiciária e do Ministério Público.

Assunção Cristas sublinhou, por outro lado, que o CDS-PP é "talvez o único partido" do espetro político-partidário nacional que valoriza de forma "séria, profunda, sensata e equilibrada" as áreas relacionadas com a soberania, a justiça, a segurança e com a valorização das forças de segurança, as relações externas e as nossas forças armadas.

"Faz sentido votar no CDS porque temos medidas destinadas às pessoas em todos os momentos da sua vida e porque o país precisa de equilibrar", declarou, vincando que não aceita cenários de maiorias absolutas de um só partido, nem de maiorias de dois terços à esquerda.

"Isso não é próprio de um país que se quer desenvolvido, isso não é próprio de um país que se quer equilibrado, isso não é próprio de um país que faça sentido para todos as pessoas", afirmou.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.